Gestão eficiente

30/12/2010 às 18:27 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Empreender não é o mesmo que se aventurar e quem pensa em abrir um negócio pensando no lucro tem grandes chances de fracassar

por Infomoney

A atual configuração do mercado de trabalho, que em muitas empresas consiste em exigir cada vez mais, nem sempre para uma remuneração equivalente com o grau de exigência, faz com que muitas pessoas pensem em empreender e abrir o próprio negócio.

Contudo, segundo alerta do coordenador de graduação da Trevisan Escola de Negócios, Dalton Viesti, empreender não é o mesmo que se aventurar e quem pensa em abrir um negócio próprio pensando no lucro tem grandes chances de fracassar.

“Muitos acham que empreender é sinônimo de se aventurar, se arriscar, acreditar apenas em uma ideia e ter um pouco de dinheiro disponível para abrir um negócio próprio. Mas a questão não é essa. (…) Tudo, em geral, começa assim: que negócio eu devo abrir? Não importa, eu quero mesmo é ganhar dinheiro. Bem, tenho uma má notícia para quem faz isso: já começou mal o negócio e tem tudo para dar errado”, diz.

Como empreender então?

Ainda na visão de Viesti, empreender é lançar-se a uma gestão eficiente e criativa, com o empreendedor sendo capaz de captar os sinais de oportunidade do mercado, além de estabelecer metas para atingir objetivos, mesmo que não tenha experiência profunda no negócio.

O empreendedor necessita também agregar trabalhos e pessoas que possam ajudá-lo nesta falta de experiência para supri-la. Dessa forma, para ter sucesso no empreendimento, o especialista dá algumas dicas:

* Nunca tenha como meta principal do negócio próprio o lucro ou a riqueza pessoal. Isto deve ser uma consequência de um trabalho bem feito;

* Pense sobre o que fazer de bom, para que as pessoas realmente comprem o produto ou serviço;

* Pesquise. Comece com uma pequena pesquisa com os potenciais consumidores e veja o que eles pensam deste tipo de negócio. Levante quantos empreendedores tiveram a mesma ideia e já estão instalados no local escolhido e analise se isto representa uma oportunidade ou uma ameaça;

* Calcule preliminarmente quanto de cada produto pretende vender e quanto custará mensalmente toda a estrutura. Tais cálculos podem auxiliar na avaliação sobre a vantagem ou não de se montar o negócio;

* Por fim, orienta o especialista, faça algo no qual tenha alguma experiência ou vontade de mergulhar no assunto. “Aventurar-se em atividades totalmente desconhecidas e desinteressantes fazem-no ficar na mão de quem sabe e isso não é bom”.

Anúncios

Pagamentos de tributos federais poderá ser feito por débito em conta-corrente

30/12/2010 às 18:16 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O banco terá a responsabilidade de registrar as informações sobre o pagamento do tributo no extrato bancário do correntista

Camila F. de Mendonça

Os contribuintes poderão efetuar o pagamento dos tributos por meio de débito em conta-corrente. A Receita Federal publicou a nova regra na última semana no Diário Oficial da União.

De acordo com a Portaria 2.444, para fazer o pagamento de tributos federais por meio de débito em conta, os contribuintes deverão informar ao Fisco o banco, a agência e o número de sua conta.

Deveres da Receita e dos bancos

A norma dita que a Receita Federal não poderá utilizar o débito em conta para recolher tributos que não tenham sido relacionados na solicitação feita pelo contribuinte.

Contudo, caberá ao órgão enviar ao banco o valor total a ser debitado, incluindo possíveis parcelas de multa e juros, caso elas incidam no pagamento.

O banco terá a responsabilidade de registrar as informações sobre o pagamento do tributo no extrato bancário do correntista, ficando responsável pela realização do débito na data indicada pela Receita.

As normas para a implantação do pagamento de impostos federais por meio de débito em conta-corrente ainda serão editadas pela Codac (Coordenação-Geral de Arrecadação e Cobrança) e pela Cotec (Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação) da Receita.

Mais regras novas

A Receita também editou novas regras para agendamento de atendimento nos postos. Agora, as unidades de atendimento da Receita deverão disponibilizar vagas para atender aos contribuintes que fizerem o agendamento por meio do site do órgão (www.receita.fazenda.gov.br) ou pelo Receita Fone (146).

A eles deverão ser oferecidas opções de agendamento para, no mínimo, cinco dias úteis. Os postos, contudo, terão a liberdade de estabelecer as faixas de horários a serem disponibilizadas para o atendimento daqueles que realizarem o agendamento via site ou telefone.

Os contribuintes pessoa física poderão fazer o agendamento para quaisquer serviços disponibilizados pela Receita. Já no caso de pessoa jurídica, apenas serviços que não estão disponibilizados no site do órgão poderão ser agendados para o atendimento nos postos.

Fonte: InfoMoney

Podemos ajudar?

30/12/2010 às 17:12 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário










Saiba os valores das anuidades para o exercício 2011

29/12/2010 às 11:52 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) fixou, para todos os Conselhos Regionais, os valores das anuidades, taxas e multas para o exercício de 2011. Os novos valores foram deliberados através da Resolução CFC nº 1.300/2010, que entra em vigor dia 1º de janeiro do próximo ano.

Os valores das anuidades serão de R$ 380 para os contadores e de R$ 342 para os técnicos em Contabilidade. Para empresários e escritórios individuais, a anuidade será de R$ 190, enquanto que, para sociedades contábeis, o valor foi fixado em até R$ 950.

Para os profissionais que quitarem a anuidade até o dia 31 de janeiro será concedido um desconto de 10%. Já quem pagar até 28 de fevereiro fará jus a uma redução de 5%.

As anuidades (valores sem desconto) poderão ser divididas em até sete parcelas mensais fixas, desde que isso seja requerido e que a primeira parcela seja paga até 31 de março.

A emissão dos boletos estará disponível a partir no site www.crcsc.org.br.

Mais informações podem ser obtidas diretamente na sede do CRCSC ou nas macro e delegacias da entidade.

Cristiane dos Santos Lipiarski
Setor de Atendimento
cris

Unir para crescer!
Sim, nós podemos.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SC
Av: Osvaldo Rodrigues Cabral, 1900
Centro – Florianópolis – SC – CEP: 88015-710
http://www.crcsc.org.br
FONE:(48)3027-7000 – FAX:(48)3027-7008

MEI Deverá Entregar Declaração em Janeiro

28/12/2010 às 18:14 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Na hipótese de o Microempreendedor Individual (MEI) ser optante pelo Sistema de Recolhimento em Valores Fixos Mensais dos Tributos abrangidos pelo Simples Nacional (SIMEI), no ano-calendário anterior, precisa apresentar, até o último dia útil do mês de janeiro de cada ano, à RFB, declaração anual (DAS-SIMEI), em formato especial, contendo:

I – a receita bruta total auferida relativa ao ano-calendário anterior;

II – a receita bruta total auferida relativa ao ano-calendário anterior, referente às atividades sujeitas ao ICMS;

III – informação referente à contratação de empregado, quando houver.

Portanto, relativamente a 2010, o Microempreendedor Individual tem, regularmente, até o dia 31.01.2011 para prestar contas com o leão, mediante a entrega da respectiva declaração anual de rendimentos.

Conheça a obra MEI – Micro Empreendedor Individual

By Portal Tributário

Planeje o seu futuro e o IR

28/12/2010 às 13:43 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras matérias você encontra no blog da LJ Contabilidade & Assessoria no endereço

https://ljcontabilidade.wordpress.com/

Uma das vantagens da previdência privada é o desconto no imposto anual. Com maior expectativa de vida e déficit progressivo na Previdência Social, os brasileiros começam a pensar em uma forma de complementar a aposentadoria. Neste cenário, aumenta a procura por planos de previdência privada. Uma das principais vantagens é o desconto no Imposto de Renda. Qualquer aporte feito até o último dia do ano já pode ser descontado na declaração de 2011.

Segundo o gerente de negócios da Caixa, Eduardo Rochemback, clientes aproveitam o 13º salário para investir na previdência privada e conseguir restituições maiores ou pagamentos menores de Imposto de Renda.

“Quem tem uma renda anual de R$ 60 mil, por exemplo, e depositar 12% na previdência, ou seja, R$ 7,2 mil, até dia 30 de dezembro terá R$ 1,98 mil a mais na restituição do ano que vem ou terá um desconto de R$ 1,98 mil no pagamento do IR”, diz.

O desconto no IR é um atrativo no fim do ano, mas o segmento tem tido bons resultados o ano todo. Em 2010, ultrapassou R$ 200 bilhões em reservas e a projeção é de que chegue em R$ 800 milhões em dez anos.

Fonte: A Notícia / por Portal Contábil SC

Status superior

28/12/2010 às 11:29 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Inovação pode levar Brasil a ser país de alta renda em 15 anos, perspectiva foi apresentada pelo diretor-técnico do Sebrae

por Agência Sebrae

O Brasil tem potencial para ocupar a confortável condição de país desenvolvido de alta renda, dentro de 15 anos, se conseguir inovar o suficiente para elevar a sua produtividade aos níveis dos países da União Européia. A perspectiva de um status superior à atual situação brasileira foi apresentada pelo diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, durante encontro anual promovido pela Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), que reuniu pesquisadores, gestores de parques tecnológicos e incubadoras de empresas e autoridades governamentais na última quarta-feira (8), em Brasília.

“Precisamos comparar o Brasil com o que queremos que ele seja daqui a 15 anos”, justificou o diretor do Sebrae ao fazer uma análise comparativa entre o Brasil e dez países daquele bloco econômico – Itália, Espanha, Portugal, França, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Grécia e Suécia. “Nossas micro e pequenas empresas têm a mesma participação na economia (99%) e geram um número de empregos equivalente (52,2%). O que nos separa desses países é a contribuição no PIB”, destacou.

Conforme Carlos Alberto, a participação das micro e pequenas empresas no PIB brasileiro “é bastante pequena (20%)” e nos países da União Européia a contribuição é muito maior. A menor participação no PIB entre os dez países avaliados, à exceção do Brasil, é Alemanha e situa-se em 33,5%, seguindo-se o Reino Unido (34%) até os mais expressivos, Itália e Grécia, ambos com 55,6%.

“Não precisamos aumentar o número de empregos; as pequenas empresas têm relevância social enorme, mas é imprescindível melhorar a produtividade e elevar a sua participação na economia”, disse o diretor do Sebrae. Segundo ele, esse novo status econômico do Brasil só será viável “se agregarmos fortemente inovação e empreendedorismo” no mercado dos pequenos negócios. “No contexto da economia, a melhor opção é focar numa estratégia de encadeamento produtivo, numa abordagem ampliada do mercado”, recomendou.

Presente também ao evento da Anprotec, o secretário-executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Luiz Antonio Rodrigues Elias, afirmou que nunca antes houve tanto recurso no País para inovação e empreendedorismo. Em 2011, R$ 3,7 bilhões serão aportados pelo MCT. Elias, que está na equipe de transição do governo, pediu para a Anprotec encaminhar o documento com o resultado do planejamento estratégico da instituição, organizado a partir do debate com os principais dirigentes de incubadoras de empresas e parque. “O objetivo é entregar o documento ao próximo governo e deixar o desafio de construirmos políticas públicas para incentivar inovação e empreendedorismo para o próximo ministro”, assinalou.

O anfitrião do evento, Ary Plonski, por sua vez, fez um “balanço retrospectivo” da atuação da entidade. Na oportunidade, ele destacou a importância das parcerias institucionais e de cooperação técnica, que tornaram possível a realização de eventos de caráter científico e de capacitação, como workshops e seminários, além de missões internacionais, realizadas em Israel e na França.

Plonski ressaltou também a articulação da entidade com o Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos (PNI), que resultou em editais envolvendo R$ 10 milhões para incubadoras de empresas e R$ 40 milhões para parques tecnológicos. Ao final, foram dez itens que constituíram os “DezTaques 2010” da Anprotec, apresentados pelo seu presidente Ary Plonski.

Qual a fórmula da motivação?

27/12/2010 às 17:27 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras mensagens você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

Qual a fórmula da motivação?

É comum observarmos, no ambiente corporativo, fórmulas prontas de como "motivar a sua equipe e aumentar os lucros". É fácil encontrar treinamentos, consultorias e as mais diversas ferramentas que prometem melhores resultados sem muito esforço. Porém, em minha opinião, o processo não se resume a um simples formato padrão que possa ser aplicado para todos os tipos de pessoas e empresas. A questão é: por que regras prontas funcionariam para todos se cada indivíduo pensa, age e se motiva de maneiras diferentes?

Essas análises podem ser observadas desde quando Abraham Maslow, importante psicólogo americano (que nunca desenhou nenhum tipo de pirâmide), formulou a base de sua teoria, na qual ressalta que as motivações são explicadas pelas necessidades psicológicas das pessoas. A explicação é que a produtividade está diretamente ligada aos motivadores de cada um. Identificar a "equação motivadora" de cada funcionário é fundamental para garantir um ambiente coorporativo mais produtivo.

As empresas tem quatro moedas de troca ou fatores que motivam as pessoas, sendo elas:

1° Dinheiro – Está relacionado ao salário, comissão, 13°, bônus e outros mecanismos de recompensa monetária;

2° Segurança/ conforto – Tem relação com a segurança (estabilidade e regras claras) assim como bem estar físico (instalações e equipamentos adequados), bom ambiente de trabalho e (ou) pouca pressão por resultados;

3° Aprendizado – É todo conhecimento que a empresa proporciona por meio de treinamentos formais e do aprendizado informal que se adquire durante o período de trabalho;

4° Reconhecimento ou status – É como a empresa proporciona aprovação social ao indivíduo: elogios públicos, promoções e compartilhar o sucesso têm a ver com esta "moeda".

Uma pessoa "equilibrada" teria 25% de proporção para cada motivador, contudo, esta não é a realidade, já que cada indivíduo tem necessidades em diferentes intensidades. Alguns desejam ganhar mais dinheiro, outros preferem conforto, outros status, e alguns tem o aprendizado como fator mais importante. Vamos a um exemplo que pode ocorrer com 4 pessoas que trabalham no mesmo departamento de uma empresa e têm as seguintes "fórmulas" mentais:

A pessoa "A": 50% dinheiro, 30% status, 10% aprendizado e 10% segurança;
A pessoa "B": 30% dinheiro, 10% status, 10% aprendizado e 50% segurança;
A pessoa "C": 10% dinheiro, 10% status, 50% aprendizado e 30% segurança;
A pessoa "D": 30% dinheiro, 50% status, 10% aprendizado e 10% segurança.

É comum que isso aconteça, pois pessoas diferentes demandam diferentes estímulos. A principal interessada em manter os profissionais que se identifiquem com a sua “fórmula” é a organização, afinal uma equipe motivada é muito mais produtiva e lucrativa. Para isso, é fundamental que o dirigente se conheça, faça uma real análise da cultura de sua organização e tenha uma fórmula clara para oferecer a seus funcionários. A proposta tem que ser absolutamente realista, tanto para quem está dentro quanto para quem está querendo entrar.

O importante é que a empresa assuma um posicionamento claro do que ela pode oferecer, e quais são suas moedas de troca. Se você oferece o salário alto como principal motivador, por exemplo, então procure por profissionais que se sentem motivados ganhando bem, e não se importam em ter pouca qualidade de vida. O mais importante nesta estratégia é oferecer o que a empresa realmente dispõe: a fórmula tem a ver com a estrutura, os valores e a cultura da organização. Nas pequenas empresas, o que conta são os valores do dono.

Não existe uma equação ideal para conseguir administrar bem um negócio. Para obter um ambiente de trabalho saudável e produtivo para ambas as partes, comece por identificar a sua “fórmula”, e as explicite quando contratar um novo colaborador. Para analisar os funcionários que já estão dentro, é mais fácil: o histórico profissional mostrará o que mais o motiva. Usando esta análise, será mais fácil identificar a pessoa certa para seu negócio.

Motivar a equipe não está apenas relacionado às técnicas de conduta e relacionamento. Para as empresas que querem aprimorar seu quadro de funcionários e dar uma virada no sucesso de seus negócios, é fundamental avaliar e identificar os valores da empresa, e contratar pessoas com as motivações alinhadas a estes valores.

Eduardo Ferraz é consultor em gestão de pessoas e especialista em treinamentos e consultoria In Company, com aplicações práticas de Neurociência. Autor do livro “Por que a gente é do jeito que a gente é?”, da Editora Gente. Para mais informações, acesse: www.eduardoferraz.com.br

Mudança adiada

27/12/2010 às 17:24 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras notícias você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

As mudanças no regime especial de tributação das micro e pequenas empresas ficaram para 2011. A pedido do governo, o Projeto de Lei Complementar 591/10, que entre outros pontos, eleva o limite do Simples Nacional de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões, foi retirado da pauta de votação da Câmara dos Deputados e só deve voltar a ser discutido pelo Congresso no próximo ano. A previsão é de que entre em pauta ainda em fevereiro, no início da sessão legislativa. “O governo optou por discutir e votar o projeto, desde os estudos, os debates e as negociações com atores chave, no ano de 2011, entendendo que, por não criar novo tributo ou aumentar a carga tributária, pode vigorar ainda em 2011”, afirma o gerente de Políticas Públicas do Sebrae, Bruno Quick.

Para prorrogar o prazo, os parlamentares da base aliada alegaram que ainda é necessário discutir alguns pontos com o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Com a não votação neste ano, serão desenquadradas as empresas que ultrapassaram o limite de faturamento de R$ 2,4 milhões em 2010, devendo sair do Simples Nacional já em 2011. “Infelizmente, todos os avanços passam pela resistência inicial do Confaz, que, em nome dos governos estaduais, trata a Lei Geral como se fosse só tributária e se opõe, alegando riscos à arrecadação, mesmo tendo a experiência anterior da vigência do Simples em 2007, quando não houve perdas”, lamenta Quick.

Com a aprovação do projeto no ano que vem, cerca de 5 mil empresas bem sucedidas dentro do Simples Nacional não precisarão conter o crescimento para se manterem dento do regime tributário. A ampliação, destaca o gerente do Sebrae, dará um tempo maior para as empresas se prepararem para ingressar no regime tributário feito pelo Lucro Presumido ou pelo Lucro Real.

Além do aumento do limite de faturamento, o projeto de lei altera procedimentos relativos a microempresas e empresas de pequeno porte tais como: abertura, registro, funcionamento, exclusão de ofício, recuperação judicial especial, valores da receita bruta, recolhimento de tributos e contribuições, negativação de empresas e sócios, além de prever equiparação do produtor rural pessoa física à empresa de pequeno porte em relação aos benefícios não tributários da lei, e de criar a figura do trabalhador rural avulso.

Outro ponto preocupante em relação à não aprovação neste ano se refere ao parcelamento dos débitos, pois 35 mil empresas já foram notificadas e serão excluídas, caso não regularizem os débitos e optem novamente até 31 de janeiro próximo. Outras 525 mil micro e pequenas companhias já têm débitos lançados, mas ainda não foram notificadas. Segundo a redação do projeto de lei, o volume dos valores de tributos do regime simplificado não recolhidos poderá ser dividido em parcelas, sob regulamentação do Conselho Gestor do Simples Nacional. O projeto ainda eleva para R$ 48 mil o limite de faturamento anual para um autônomo ser enquadrado como Empreendedor Individual. Hoje, esse patamar é de R$ 36 mil

Como se superar a cada dia?

27/12/2010 às 11:20 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras mensagens você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

Desafios diários são encontrados por todos os profissionais de todas as áreas. E, queiramos ou não, são esses mesmos desafios que nos fortalecem ou nos derrotam, dependendo apenas da maneira que enfrentamos cada um deles.

Na área de vendas, por exemplo, o vendedor tem um desafio diário que precisa ser vencido com inteligência, ousadia e muita determinação, isso porque a concorrência é grande e, atualmente, não vence o maior, e sim o mais bem preparado, o mais rápido.

E como se superar a cada dia? Como ser melhor em sua área de atuação?

– Sabendo exatamente onde você estava, onde você está e aonde você deseja chegar, pois sem caminho traçado, não existe ponto de chegada;
– Inovar será sempre uma questão de bom senso, pois quem não inova fica obsoleto rapidamente;
– Buscar na leitura diária sempre algo que possa somar na sua carreira;
– Construir e manter uma rede de relacionamento (networking) sempre ativa;
– Sempre que for possível, sair um pouco da rotina, fazer uma viagem com a família, conhecer outros lugares. Afinal, ninguém é de ferro.

Essas são atitudes simples para que você possa se superar a cada dia, a cada mês e a cada ano com excelência.

Texto de Eugênio Sales Queiroz, consultor, conferencista e autor do livro “Em Busca da Excelência Profissional”.

Atenciosamente,

Cont. Adriano Mattos

LJ Contabilidade & Assessoria

www.ljcontabilidade.com.br

https://ljcontabilidade.wordpress.com

Fone/Fax: (48) 3242-3233

23 December, 2010 14:02

23/12/2010 às 14:02 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
ICMS – SC
APROVAÇÃO DAS TABELAS DE BASE DE CÁLCULO DO IPVA 2011, ALTERAÇÃO DOS APLICATIVOS PARA A LIBERAÇÃO DE BENS E MERCADORIAS IMPORTADAS E OUTRAS ALTERAÇÕES.
O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das atribuições estabelecidas na Lei Complementar nº 381, de 7 de maio de 2007, art. 7º, I, revolveu, através da:

Portaria SEF 264/2010 (DOE de 13.12.2010), aprovar as tabelas indicativas de base de cálculo relativas ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA, aplicáveis a veículos usados no exercício de 2011.

Portaria SEF 136/2010 (DOE de 17.12.2010), aprovar, com efeitos desde 1º de dezembro de 2009, os aplicativos, disponibilizados na Internet, na página oficial da Secretaria de Estado da Fazenda, destinados a:

a) entrega de mercadorias ou bens importados por intermédio de depositário credenciado estabelecido em recinto alfandegado;

b) Declaração Prévia de ICMS – Importação;

c) consulta da situação da DI – Declaração de Importação – e impressão da GLME – Guia para Liberação de Mercadoria Estrangeira sem Comprovação do Recolhimento do ICMS, gerada eletronicamente;

Portaria SEF 266/2010 (DOE de 17.12.2010), delegar a competência ao Diretor de Administração Tributária para concessão dos regimes especiais que relaciona.

Econet Editora Empresarial Ltda

Reforço natalino

23/12/2010 às 11:32 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O maior volume do abono de Natal vai para os bolsos das classes C, D e E, que usarão os recursos para dívidas e compras de Natal

por Infomoney

As classes emergentes vão usar o décimo terceiro salário para quitar dívidas e fazer as compras de Natal, revelou pesquisa do Data Popular divulgada nesta segunda-feira (6).

Dos R$ 102 bilhões que o abono de Natal irá injetar na economia neste ano, R$ 64,8 bilhões irão para as classes C, D e E.

O pagamento de dívidas ficará com 41,2% do total, o que representa R$ 26,7 bilhões do que será recebido pelas classes emergentes, enquanto as compras de Natal ficarão com 38% do total ou R$ 24,8 bilhões.

Despesas diversas serão o destino de R$ 7,6 bilhões do décimo terceiro das classes emergentes, ou 11,7% do total, e a aplicação em poupança e outras modalidades, o de R$ 5,7 bilhões, o que representa 8,79%.

Brasileiros

Quando analisadas todas as classes sociais, é interessante notar que quase R$ 42 bilhões irão para o pagamento das dívidas.

Outros R$ 39 bilhões serão usadas para as compras de produtos de Natal, R$ 12 bilhões irão para o pagamento de despesas em geral e R$ 9 bilhões, para aplicação em poupança ou em outras opções de investimento.

TCFA/TFASC – pagamento do 4º trimestre

23/12/2010 às 11:31 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

FATMA – Fundação Amparo Tecnologia Meio Ambiente

Informativo referente ao pagamento do 4º trimestre TCFA/TFASC

Informamos que o pagamento da TFASC, referente ao 4º trimestre, tem como prazo de vencimento até o dia 05/01/11.

Em caso de dificuldades em visualizar o DARE da FATMA no site do Ibama, o boleto estará disponivel no link TFASC ( http://sinfat.fatma.sc.gov.br/DareTfasc/ ) em pagamentos pendentes.

Agradecemos a atenção.

Coordenação TFASC

Cláudio Carvalho

Fundação do Meio Ambiente – GEAFC

Fone: 48 3216-1768

Festa SESCON, acesse o link

22/12/2010 às 11:58 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

8502.jpg

Acesse o link da reportagem sobre a festa de confraternização do SESCON Grande Florianópolis 2010.

http://contabilidadenatv.blogspot.com/2010/12/confraternizacao-2010-do-sescon-grande.html

8482.jpg

=

Novas Resoluções do CFC / Revisão de Pronunciamentos Técnicos

21/12/2010 às 19:46 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
maladiretaCRCSC-topo.jpg
Novas Resoluções do CFC / Revisão de Pronunciamentos Técnicos
cfc(6).jpg

Editadas Novas Resoluçõesdo CFC

Foram publicadas no Diário Oficial da União de 17 de dezembro de 2010 várias Resoluções do Conselho Federal de Contabilidade – CFC, as quais destacamos:

I – Resolução CFC nº 1313, de 9 de dezembro de 2010, que aprova a NBC T 19.14 – Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários;

II – Resolução CFC nº 1314, de 9 de dezembro de 2010, que aprova a NBC T 19.15 – Pagamento Baseado em Ações;

III – Resolução CFC nº 1315, de 9 de dezembro de 2010, que aprova a NBC T 19.40 – Adoção Inicial das NBC Ts Convergidas em 2009;

IV – Resolução CFC nº 1316, de 9 de dezembro de 2010, que aprova a IT 16 – Extinção de Passivos Financeiros com Instrumentos Patrimoniais;

V – Resolução CFC nº 1317, de 9 de dezembro de 2010, que aprova o CT 05 – Aplicação da Interpretação Técnica IT 13 – Contrato de Construção do Setor Imobiliário.

Atualização em ICMS – Almir J. Gorges

21/12/2010 às 16:15 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Nota Fiscal Eletrônica!!

21/12/2010 às 16:15 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

8180.jpg

www.sesconfloripa.org.br

Ambiente estruturado

21/12/2010 às 11:12 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Com o aumento do poder de compra das classes C e D, o número de negócios também vem crescendo. Para não ficar de fora é preciso ter um bom planejamento estratégico e aproveitar as melhores oportunidades. Ainda há tempo para investir seja na criação ou na adequação do ambiente de lojas e aproveitar as vendas do Natal, a melhor data comemorativa do setor varejista.

Considerando que a loja já está localizada em um ponto de boa circulação para garantir que seja vista pelos clientes, o próximo passo é contratar um arquiteto experiente em varejo para planejar e executar os projetos para colocação de piso, iluminação, passando também pela definição de revestimentos, cores, texturas, acabamento.

Em seguida, vem uma etapa que pode determinar o sucesso do negócio: a arrumação da vitrine, o uso de técnicas de visual merchandising, a instalação de equipamentos e mobiliário funcionais, além do paisagismo. Todos esses elementos são usados para atrair o consumidor para o interior da loja.

Segundo Marcelo Miyazawa, diretor da Legas Group, 80% das decisões de compra são realizadas no ponto de venda, portanto, fica evidente a importância da boa apresentação do produto na vitrine. A variedade de produtos e marcas transforma o ambiente de loja numa “guerra” de atenções pelo interesse do consumidor. “O valor percebido por parte do consumidor é muito maior quando o contexto da apresentação do produto tem sinergia com o conceito da marca em questão”, completa Miyazawa.

Flexibilidade para mudar

Como a moda muda rapidamente, o lojista deve apresentar as novidades ao mesmo tempo em que o consumidor recebe os estímulos para consumo, que vêm de todos os lados: dos meios de comunicação de massa, e aí se incluem até as novelas e filmes que ditam algumas tendências da estação, do clima, se faz calor ou frio repentinamente, de datas comemorativas, entre outros.

A simples troca dos produtos expostos no interior da loja pode não ser suficiente para que o consumidor os identifique como novos. Quem está acostumado a passar por ali pode nem notar que algo mudou. “Planejar o espaço físico da loja com flexibilidade para mudar rapidamente a disposição de produtos é uma forma de ampliar o giro do estoque, conquistar maior performance em vendas e, ainda, ter seu negócio reconhecido pelo cliente como um espaço que oferece o que ele precisa”, explica Marcelo Miyazawa.

NF-e – NOTA FISCAL ELETRÔNICA

21/12/2010 às 11:05 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
ICMS/Nacional

NF-e – NOTA FISCAL ELETRÔNICA
Prorrogação do Prazo de Obrigatoriedade

Foram publicados no DOU desta segunda-feira, 13.12.2010, três Protocolos firmados junto ao CONFAZ que alteram as regras acerca da obrigatoriedade de utilização e emissão da NF-e – Nota Fiscal Eletrônica, modelo 55.

O Protocolo ICMS nº 194/2010 prorrogou para 01.03.2011 os prazos de obrigatoriedade para início da utilização da NF-e para os contribuintes que tenham sua atividade principal enquadrada em um dos seguintes códigos de CNAE relacionados a seguir – o prazo é prorrogado para 01.03.2011 para estes contribuintes, inclusive em relação às operações mencionadas na cláusula segunda do Protocolo ICMS nº 42/2009 (operações interestaduais, operações destinadas a órgãos públicos e operações de comércio exterior):

CNAE Atividade
6110-8/01 Serviços de telefonia fixa comutada – STFC
6110-8/02 Serviços de redes de transporte de telecomunicações – SRTT
6110-8/03 Serviços de comunicação multimídia – SCM
6110-8/99 Serviços de telecomunicações por fio não especificados anteriormente
6120-5/01 Telefonia móvel celular
6120-5/02 Serviço móvel especializado – SME
6120-5/99 Serviços de telecomunicações sem fio não especificados anteriormente
6130-2/00 Telecomunicações por satélite
6141-8/00 Operadoras de televisão por assinatura por cabo
6142-6/00 Operadoras de televisão por assinatura por microondas
6143-4/00 Operadoras de televisão por assinatura por satélite
6190-6/01 Provedores de acesso às redes de comunicações
6190-6/02 Provedores de voz sobre protocolo internet – VOIP
6190-6/99 Outras atividades de telecomunicações não especificadas anteriormente

Já o Protocolo ICMS nº 195/2010 prorrogou para 01.07.2011 os prazos de obrigatoriedade para início da utilização da NF-e para os contribuintes que tenham sua atividade principal enquadrada em um dos seguintes códigos de CNAE relacionados a seguir:

CNAE Atividade
5811-5/00 Edição de Livros
5812-3/00 Edição de Jornais
5813-1/00 Edição de Revistas
5821-2/00 Edição Integrada a Impressão de Livros
5822-1/00 Edição Integrada a Impressão de Jornais
5823-9/00 Edição Integrada a Impressão de Revistas

Finalmente, o Protocolo ICMS nº 196/2010 prorrogou para 01.04.2011 a obrigatoriedade de emissão da NF-e nas operações internas destinadas a órgãos públicos, também nas operações realizadas pelos contribuintes dos Estados do Ceará e de Goiás. Em contrapartida, esta regra deixa de valer para os contribuintes localizados no Estado do Maranhão. Nas operações interestaduais destinadas a órgãos públicos dos contribuintes localizados nos Estados acima, bem como no caso dos contribuintes localizados em Estados não citados acima, permanece a obrigatoriedade de emissão da NF-e nas operações destinadas a órgãos públicos a partir de 01.12.2010

Econet Editora Empresarial Ltda

Consumo ilegal

20/12/2010 às 18:23 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Consumo ilegal

Mais de 70 milhões de brasileiros consomem produtos piratas. Nos últimos 5 anos, quase 14 milhões compraram itens falsificados

por Da Redação

A pesquisa “O consumo de Produtos Piratas no Brasil” da Fecomércio-RJ/Ipsos revela que, nos últimos cinco anos, aumentou o percentual de brasileiros que consome produtos piratas. Em 2006, 42% dos entrevistados compraram alguma mercadoria falsificada. Transformando esse percentual em números absolutos, aproximadamente 56,4 milhões de brasileiros teriam adquirido algum item desta natureza naquela época. Em 2010, 48% dos brasileiros que responderam à pesquisa afirmaram ter comprado algum produto pirata, o que representa um aumento de 13,8 milhões de pessoas consumidoras deste tipo de produto. Hoje, no Brasil, são aproximadamente 70,2 milhões de consumidores de mercadorias falsificadas.

Desde que a pesquisa “O consumo de produtos piratas no Brasil” foi realizada pela primeira vez, em 2006, CD e DVD figuram no topo da lista de produtos piratas mais consumidos. Apesar disso, nos últimos cinco anos, o percentual de brasileiros consumidores de CD ilegal caiu de 86% para 79%.

No período entre 2006 e 2010, houve uma disparada no consumo de DVD. No primeiro ano da pesquisa, o percentual de brasileiros que afirmou ter comprado este produto no mercado ilegal era de 35%. Em 2010, 77% dos entrevistados assumiram ter adquirido um DVD pirata. O binômio que sustenta esta expansão é agilidade com que hoje os falsificadores podem reproduzir essas mídias, pelo avanço e disseminação da tecnologia, e o aumento significativo na venda de aparelhos de DVD. Estimativa da Fecomércio-RJ, com base em dados da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos, indica que de 2006 a 2010 foram vendidos anualmente, em média, 7,2 milhões destes equipamentos no Brasil.

O levantamento também apurou que nenhum dos malefícios e prejuízos do consumo ilegal é levado consideravelmente em conta na hora da compra de produtos piratas, sendo o preço baixo o fator decisivo. Nos cinco anos da pesquisa, é quase unânime, entre aqueles que consomem esse tipo de mercadoria, a busca por produtos mais baratos. Em 2010, 94% dos que consomem produtos piratas afirmaram que o custo mais baixo é o que os atrai. Em 2006, o percentual era praticamente o mesmo: 93%.

No período observado pela pesquisa aumentou a parcela de brasileiros que não tem restrição a qualquer tipo de produto pirata, ou seja, compraria qualquer mercadoria. Em 2006, quando perguntados se havia algum produto falsificado que o consumidor não compraria, todos citaram pelo menos uma opção. Em 2010, 13% dos entrevistados disseram que não teriam resistência a nenhuma mercadoria pirata.

O levantamento Fecomércio-RJ/Ipsos revelou também que o nível de conscientização dos consumidores em relação aos danos causados pela pirataria diminuiu drasticamente no período entre 2006 e 2010.

· A pesquisa revela que os consumidores de produtos piratas acreditam, cada vez menos, que a pirataria provoca desemprego. Em 2006, 64% dos brasileiros acreditavam que a pirataria causava desemprego. Em 2010, caiu para 56%.

· Em 2006, para 30% dos entrevistados, o uso de produtos piratas não trazia consequência negativa. Em 2010, esta proporção subiu para 37%.

· Houve redução do percentual de brasileiros que associam a pirataria ao crime organizado: de 70, em 2006, para 60%, em 2010.

· Ainda nesta linha, reduziu de 79%, em 2006, para 68%, em 2010, a parcela de consumidores que acredita que a venda dessas mercadorias prejudica o faturamento do comércio formal.

· Em 2006, 83% dos brasileiros achavam que a pirataria alimentava a sonegação de impostos. Essa proporção diminuiu para 75%, em 2010. Em relação aos prejuízos causados ao fabricante e/ou artista, caíram de 83%, em 2006, para 79%, em 2010, os que compartilham desta opinião.

A pesquisa ouviu 1000 pessoas de 70 (setenta) cidades, incluindo 9 (nove) regiões metropolitanas.

Movimento Brasil sem Pirataria

O Sistema Fecomércio-RJ, com apoio do Conselho Nacional de Combate à Pirataria – do Ministério da Justiça –, do Metrô-Rio e da Delegacia de Repressão Contra o Crime de Propriedade Imaterial (DRCPIM), lançou na última terça-feira (30) em evento na Sede do Sistema, no Rio de Janeiro, o Movimento Brasil sem Pirataria.

A ideia do Movimento é conscientizar o cidadão comum, que conhece os riscos impostos à sociedade pela pirataria, mas não muda sua atitude. O objetivo é sensibilizar o indivíduo no que lhe é mais caro: a sua vida e a de sua família. Por isso, as peças da campanha publicitária e todas as ações vão falar diretamente com o consumidor e colocá-lo no centro da discussão, mostrando que a decisão de comprar um produto falsificado é muito séria e que, muitas vezes, tem consequências irreversíveis.

Neste sentido, é necessário falar com cada cidadão, especialmente, com aqueles das classes C e D/E, tendo em vista que essas classes já congregam poder de compra superior ao das classes A/B. O Ministério da Fazenda fez uma estimativa de consumo para 2010: enquanto as classes A/B devem gastar R$ 590 bilhões durante o ano, as classes C, D/E podem passar de R$ 880 bilhões.

As peças da campanha circularão nos vagões do Metrô-Rio nas linhas 1 e 2 a partir do dia 3 de dezembro, dia nacional de combate à pirataria. O início de dezembro foi escolhido também pela proximidade do Natal, período em que um número maior de pessoas vai às compras.

Na estação da Carioca, onde passam todos os dias 120 mil pessoas, foi montada uma exposição mostrando as consequências negativas para a sociedade e para o cidadão das mercadorias falsificadas.

O presidente do Sistema Fecomércio-RJ, Orlando Diniz, entregou ao secretário-executivo do ministério da Justiça e presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, Rafael Thomaz Favetti, o estudo Pirataria no Brasil – Radiografia do Consumo. O documento traz uma análise da evolução dos cinco anos de elaboração da Pesquisa “O consumo de produtos piratas no Brasil”.

“O Sistema Fecomércio-RJ acredita que, a pesquisa “O Consumo de Produtos Piratas no Brasil”, o estudo Pirataria no Brasil – Radiografia do Consumo e o Movimento Brasil sem Pirataria, colaborem com o projeto estratégico Comércio contra a Pirataria, definido como um dos cinco prioritários pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria”, conclui o presidente do Sistema Fecomércio-RJ, Orlando Diniz.

Não há como agradecer a colaboração da Fecomércio-RJ, a única a realizar esse tipo de pesquisa nessa abrangência“, afirma o secretário-executivo do ministério da Justiça e presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria Rafael Thomaz Favetti.

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: