Qual a fórmula da motivação?

27/12/2010 às 17:27 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras mensagens você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

Qual a fórmula da motivação?

É comum observarmos, no ambiente corporativo, fórmulas prontas de como "motivar a sua equipe e aumentar os lucros". É fácil encontrar treinamentos, consultorias e as mais diversas ferramentas que prometem melhores resultados sem muito esforço. Porém, em minha opinião, o processo não se resume a um simples formato padrão que possa ser aplicado para todos os tipos de pessoas e empresas. A questão é: por que regras prontas funcionariam para todos se cada indivíduo pensa, age e se motiva de maneiras diferentes?

Essas análises podem ser observadas desde quando Abraham Maslow, importante psicólogo americano (que nunca desenhou nenhum tipo de pirâmide), formulou a base de sua teoria, na qual ressalta que as motivações são explicadas pelas necessidades psicológicas das pessoas. A explicação é que a produtividade está diretamente ligada aos motivadores de cada um. Identificar a "equação motivadora" de cada funcionário é fundamental para garantir um ambiente coorporativo mais produtivo.

As empresas tem quatro moedas de troca ou fatores que motivam as pessoas, sendo elas:

1° Dinheiro – Está relacionado ao salário, comissão, 13°, bônus e outros mecanismos de recompensa monetária;

2° Segurança/ conforto – Tem relação com a segurança (estabilidade e regras claras) assim como bem estar físico (instalações e equipamentos adequados), bom ambiente de trabalho e (ou) pouca pressão por resultados;

3° Aprendizado – É todo conhecimento que a empresa proporciona por meio de treinamentos formais e do aprendizado informal que se adquire durante o período de trabalho;

4° Reconhecimento ou status – É como a empresa proporciona aprovação social ao indivíduo: elogios públicos, promoções e compartilhar o sucesso têm a ver com esta "moeda".

Uma pessoa "equilibrada" teria 25% de proporção para cada motivador, contudo, esta não é a realidade, já que cada indivíduo tem necessidades em diferentes intensidades. Alguns desejam ganhar mais dinheiro, outros preferem conforto, outros status, e alguns tem o aprendizado como fator mais importante. Vamos a um exemplo que pode ocorrer com 4 pessoas que trabalham no mesmo departamento de uma empresa e têm as seguintes "fórmulas" mentais:

A pessoa "A": 50% dinheiro, 30% status, 10% aprendizado e 10% segurança;
A pessoa "B": 30% dinheiro, 10% status, 10% aprendizado e 50% segurança;
A pessoa "C": 10% dinheiro, 10% status, 50% aprendizado e 30% segurança;
A pessoa "D": 30% dinheiro, 50% status, 10% aprendizado e 10% segurança.

É comum que isso aconteça, pois pessoas diferentes demandam diferentes estímulos. A principal interessada em manter os profissionais que se identifiquem com a sua “fórmula” é a organização, afinal uma equipe motivada é muito mais produtiva e lucrativa. Para isso, é fundamental que o dirigente se conheça, faça uma real análise da cultura de sua organização e tenha uma fórmula clara para oferecer a seus funcionários. A proposta tem que ser absolutamente realista, tanto para quem está dentro quanto para quem está querendo entrar.

O importante é que a empresa assuma um posicionamento claro do que ela pode oferecer, e quais são suas moedas de troca. Se você oferece o salário alto como principal motivador, por exemplo, então procure por profissionais que se sentem motivados ganhando bem, e não se importam em ter pouca qualidade de vida. O mais importante nesta estratégia é oferecer o que a empresa realmente dispõe: a fórmula tem a ver com a estrutura, os valores e a cultura da organização. Nas pequenas empresas, o que conta são os valores do dono.

Não existe uma equação ideal para conseguir administrar bem um negócio. Para obter um ambiente de trabalho saudável e produtivo para ambas as partes, comece por identificar a sua “fórmula”, e as explicite quando contratar um novo colaborador. Para analisar os funcionários que já estão dentro, é mais fácil: o histórico profissional mostrará o que mais o motiva. Usando esta análise, será mais fácil identificar a pessoa certa para seu negócio.

Motivar a equipe não está apenas relacionado às técnicas de conduta e relacionamento. Para as empresas que querem aprimorar seu quadro de funcionários e dar uma virada no sucesso de seus negócios, é fundamental avaliar e identificar os valores da empresa, e contratar pessoas com as motivações alinhadas a estes valores.

Eduardo Ferraz é consultor em gestão de pessoas e especialista em treinamentos e consultoria In Company, com aplicações práticas de Neurociência. Autor do livro “Por que a gente é do jeito que a gente é?”, da Editora Gente. Para mais informações, acesse: www.eduardoferraz.com.br

Mudança adiada

27/12/2010 às 17:24 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras notícias você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

As mudanças no regime especial de tributação das micro e pequenas empresas ficaram para 2011. A pedido do governo, o Projeto de Lei Complementar 591/10, que entre outros pontos, eleva o limite do Simples Nacional de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões, foi retirado da pauta de votação da Câmara dos Deputados e só deve voltar a ser discutido pelo Congresso no próximo ano. A previsão é de que entre em pauta ainda em fevereiro, no início da sessão legislativa. “O governo optou por discutir e votar o projeto, desde os estudos, os debates e as negociações com atores chave, no ano de 2011, entendendo que, por não criar novo tributo ou aumentar a carga tributária, pode vigorar ainda em 2011”, afirma o gerente de Políticas Públicas do Sebrae, Bruno Quick.

Para prorrogar o prazo, os parlamentares da base aliada alegaram que ainda é necessário discutir alguns pontos com o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Com a não votação neste ano, serão desenquadradas as empresas que ultrapassaram o limite de faturamento de R$ 2,4 milhões em 2010, devendo sair do Simples Nacional já em 2011. “Infelizmente, todos os avanços passam pela resistência inicial do Confaz, que, em nome dos governos estaduais, trata a Lei Geral como se fosse só tributária e se opõe, alegando riscos à arrecadação, mesmo tendo a experiência anterior da vigência do Simples em 2007, quando não houve perdas”, lamenta Quick.

Com a aprovação do projeto no ano que vem, cerca de 5 mil empresas bem sucedidas dentro do Simples Nacional não precisarão conter o crescimento para se manterem dento do regime tributário. A ampliação, destaca o gerente do Sebrae, dará um tempo maior para as empresas se prepararem para ingressar no regime tributário feito pelo Lucro Presumido ou pelo Lucro Real.

Além do aumento do limite de faturamento, o projeto de lei altera procedimentos relativos a microempresas e empresas de pequeno porte tais como: abertura, registro, funcionamento, exclusão de ofício, recuperação judicial especial, valores da receita bruta, recolhimento de tributos e contribuições, negativação de empresas e sócios, além de prever equiparação do produtor rural pessoa física à empresa de pequeno porte em relação aos benefícios não tributários da lei, e de criar a figura do trabalhador rural avulso.

Outro ponto preocupante em relação à não aprovação neste ano se refere ao parcelamento dos débitos, pois 35 mil empresas já foram notificadas e serão excluídas, caso não regularizem os débitos e optem novamente até 31 de janeiro próximo. Outras 525 mil micro e pequenas companhias já têm débitos lançados, mas ainda não foram notificadas. Segundo a redação do projeto de lei, o volume dos valores de tributos do regime simplificado não recolhidos poderá ser dividido em parcelas, sob regulamentação do Conselho Gestor do Simples Nacional. O projeto ainda eleva para R$ 48 mil o limite de faturamento anual para um autônomo ser enquadrado como Empreendedor Individual. Hoje, esse patamar é de R$ 36 mil

Como se superar a cada dia?

27/12/2010 às 11:20 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esta e outras mensagens você encontra no blog da LJ no endereço https://ljcontabilidade.wordpress.com

Desafios diários são encontrados por todos os profissionais de todas as áreas. E, queiramos ou não, são esses mesmos desafios que nos fortalecem ou nos derrotam, dependendo apenas da maneira que enfrentamos cada um deles.

Na área de vendas, por exemplo, o vendedor tem um desafio diário que precisa ser vencido com inteligência, ousadia e muita determinação, isso porque a concorrência é grande e, atualmente, não vence o maior, e sim o mais bem preparado, o mais rápido.

E como se superar a cada dia? Como ser melhor em sua área de atuação?

– Sabendo exatamente onde você estava, onde você está e aonde você deseja chegar, pois sem caminho traçado, não existe ponto de chegada;
– Inovar será sempre uma questão de bom senso, pois quem não inova fica obsoleto rapidamente;
– Buscar na leitura diária sempre algo que possa somar na sua carreira;
– Construir e manter uma rede de relacionamento (networking) sempre ativa;
– Sempre que for possível, sair um pouco da rotina, fazer uma viagem com a família, conhecer outros lugares. Afinal, ninguém é de ferro.

Essas são atitudes simples para que você possa se superar a cada dia, a cada mês e a cada ano com excelência.

Texto de Eugênio Sales Queiroz, consultor, conferencista e autor do livro “Em Busca da Excelência Profissional”.

Atenciosamente,

Cont. Adriano Mattos

LJ Contabilidade & Assessoria

www.ljcontabilidade.com.br

https://ljcontabilidade.wordpress.com

Fone/Fax: (48) 3242-3233

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: