Em alta, microfranquias permitem à classe C abrir o próprio negócio

13/01/2011 às 18:04 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Em menos de dois anos, a enfermeira Elaine Cristina Barbosa Alves, de 32 anos, passou de assalariada, com renda média de R$ 1 mil, para empresária no ramo de cuidados especiais a idosos, com 35 funcionários, incluindo o próprio marido, e rendimento mensal de cerca de R$ 10 mil. Ela virou a própria patroa após abrir uma microfranquia, modelo que exige investimento máximo de até R$ 50 mil e que já representa 10% do faturamento do setor de franchising no país.

“No início foi bastante difícil, tive que fazer muita panfletagem na rua, muito marketing de guerrilha, mas hoje já estou atendendo na base da indicação”, afirma Elaine, que é franqueada da Home Angels na cidade de Campinas (SP). Criada em 2007, a microfranquia funciona no modelo home-based (baseado em casa), sem necessidade de ponto comercial. A operação do negócio exige apenas um telefone e uma equipe mínima de funcionários.

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) estima que já exista no país cerca de 2.500 franqueados de um total de mais de 50 marcas de microfranquias. “A fatia de participação delas no mercado de franquias deve chegar a 20% até o fim de 2011”, diz Ricardo Camargo, segundo o diretor-executivo da Associação Brasileira de Franchising. O setor de franquias deve fechar o ano de 2010 com um faturamento de R$ 75 bilhões, um crescimento de 19% em relação a 2009. Para 2011, a previsão é de alta de 15%. Mas para os modelos de microfranquias, a estimativa é de crescimento acima de 20%.

"As microfranquias se caracterizam pelo baixo investimento e pela baixa complexidade operacional. Muitos dos negócios podem ser administrados de casa e não envolvem estoques, coleções, manipulação de produtos ou softwares complexos”, explica André Friedheim, sócio-diretor da Francap, empresa de consultoria na área de francising. A maioria das microfranquias está ligada à prestação de serviços como reformas, jardinagem, reforço escolar, aulas particulares, fisioterapia, manutenção de computadores, tratamento de beleza e cuidado de idosos, crianças e animais, entre outros. Quando o negócio depende de um ponto comercial, geralmente o modelo é para espaços como quiosques, sem custo de luva.

Entre as vantagens, está a possibilidade de montar o negócio com capital próprio, sem necessidade de financiamento, o uso de uma marca que já está presente no mercado e a transferência de know-how para o gerenciamento do negócio. Dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) revelam que 80% das empresas fecham em até cinco anos após a inauguração. No caso das franquias, o número cai para 15%. "Apesar da rigidez de algumas franquias, abrir um comércio de nome já conhecido e respeitado é muito mais seguro do que começar do zero”, destaca o diretor-executivo da ABF. Ele afirma que o tempo médio de retorno do investimento na microfranquia é menor, entre 18 e 24 meses, contra uma média de 36 meses nos modelos tradicionais.

Fonte:G1

Anúncios

Intermediação de negócios – Opção pelo Simples Nacional

13/01/2011 às 18:01 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Intermediação de Negócios realizada por optante pelo Simples

De acordo com o item XI, do artigo 17º da Lei Complementar nº 123/2006, as empresas optantes pelo Simples Nacional não podem realizar qualquer tipo de intermediação de negócios. As empresas que realizarem tal operação estarão sujeitas a serem excluídas do Simples Nacional, com efeitos a partir do mês seguinte da ocorrência da situação impeditiva, com base no item II, do Artigo 31 da mesma Lei. Cabe salientar que qualquer tipo de serviço comissionado é considerado intermediação de negócios, incluídos os sites de compras coletivas.

Como funcionam os sites de compras coletivas e quais cuidados devemos tomar

13/01/2011 às 17:53 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Conheça melhor a nova febre da internet e veja como comprar com segurança

· Por Elaine Martins da Silva

Comprar pela internet é uma atividade que vem ganhando cada vez mais espaço entre os usuários. A maioria das grandes lojas do comércio possuem, além do estabelecimento físico, lojas virtuais que permitem às pessoas comprar todo tipo de produto sem sair de casa.

Supermercados, drogarias, livrarias, lojas de roupa. O comércio online já atingiu praticamente todos os ramos do mercado. A novidade agora são os sites de compras coletivas. Grosso modo, o objetivo desses sites é promover grandes descontos em vários estabelecimentos comerciais, atingindo o maior número de clientes possível.

Entenda um pouco melhor

A compras coletivas nada mais é do que um modelo de e-commerce. Como falado anteriormente, o objetivo principal é a promoção de grandes descontos nos mais variados estabelecimentos comerciais das cidades.

Um número mínimo de clientes a ser atingido é estabelecido. Se este número for atingido no prazo estipulado pelo site, a oferta é então ativada e os interessados recebem um cupom virtual, normalmente enviado por email, o qual permite que o cliente comprove a compra e ganhe o desconto na loja.

Normalmente os sites de compras coletivas trazem as informações mais relevantes para os usuários bem à vista, tais como: tempo que falta para a oferta expirar, quantos já foram vendidos, a porcentagem de desconto oferecido e o prazo de validade das ofertas.

Os sites que oferecem este tipo de serviço ficam com uma porcentagem do valor arrecada com as ofertas. A taxa que o estabelecimento deve pagar varia de acordo com o serviço escolhido, e pode variar entre 30 e 50%.

Os resultados

As empresas que já aderiram aos serviços de compras coletivas revelam que os resultados obtidos surpreendem. Além do retorno financeiro para os estabelecimentos, o aumento no número de clientes também é significativo. Também é uma boa maneira para divulgar o nome e tornar o empreendimento mais conhecido entre o público.

Um dos principais responsáveis para o sucesso dos sites de compras coletivas é a propaganda boca a boca. Isso é mais evidente quando as ofertas são de restaurantes e lanchonetes. Bastam dois clientes aderirem à oferta e chamar a galera para aproveitar que rapidamente o número mínimo de clientes necessários para validar a promoção é atingido.

Obviamente, para que tudo funcione corretamente e o cliente fique satisfeito, o estabelecimento que procura os sites de compras coletivas para divulgar sua marca precisa ter estrutura e organização para atender um grande público. Afinal, é o nome da loja que está em jogo!

Alguns serviços

O número de serviços que oferecem grandes descontos vem crescendo rapidamente. Porém, alguns já se destacaram e oferecem centenas de ofertas para as mais diversas cidades brasileiras. Confira abaixo um pouco dos principais sites de compras coletivas espalhados pela internet.

Peixe Urbano

Este serviço de compras coletivas é talvez um dos mais conhecidos e acessados no Brasil. O número de cidades que ele atende é grande e os envolvidos no projeto procuram estabelecer parceria com estabelecimentos dos mais variados ramos e tamanho.

Como na maioria dos sites do ramo, o Peixe Urbano permite que o usuário envie sugestões de cidades, descontos e estabelecimentos que podem ser interessante para o site. Encontrar uma oferta atraente perto de você é bem fácil, já que o serviço permite classificar as promoções de acordo com a cidade do usuário.

Site: www.peixeurbano.com.br

Clube Urbano

O Clube Urbano funciona da mesma maneira que o concorrente citado acima. Ele também permite que o usuário visualize as ofertas de acordo com a cidade em que reside. O principal diferencial do Clube Urbano são as vantagens-relâmpago que o próprio site promove.

Ao se cadastrar no serviço, por exemplo, o usuário pode ganhar até R$ 12 a cada recomendação bem-sucedida. Outra funcionalidade interessante é a integração do Clube Urbano com redes sociais como Twitter, Orkut e Facebook. Divulgar as promoções para seus amigos fica bem mais fácil.

Site: www.clubeurbano.com.br

Compra3

O Compra3 trabalha com uma forma diferente de compras coletivas. Nesse caso, a ideia principal é a do reembolso. Quanto mais pessoas comprarem o produto, maior é o valor que o serviço devolve para o usuário.

Cada produto possui uma taxa de reembolso, a qual pode aumentar significativamente se o número de pessoas interessadas for grande. Além disso, o serviço permite a avaliação da mercadoria ofertada e possui parceria com grandes sites de venda, como Americanas.com, Submarino e Compra Fácil.

Site: www.compra3.com.br

SaveMe

O SaveMe funciona como um portal de compras. Ele reúne todas as ofertas anunciadas em sites de compras coletivas e clubes de compra. O nome do serviço é bem sugestivo, já que o portal permite que o usuário economize tempo na busca por ofertas na web.

O legal do SaveMe é que, além de filtrar os resultados por cidade, o usuário também pode visualizar as ofertas apenas das área de interesse. O visual do serviço é bem agradável e chama a atenção do usuário por sua simplicidade e eficiência.

Site: www.saveme.com.br

Segurança na hora de comprar

Não há como negar que a ideia dos serviços de compras coletivas é boa, sendo muito difícil não cair na tentação dos chamativos descontos, que podem chegar a 90% em alguns casos. Porém, como em qualquer compra online, alguns cuidados são necessários para não transformar o seu “negócio da China” em dores de cabeça e aborrecimentos.

De olho nos prazos

Antes de finalizar a compra de qualquer oferta, fique atento à data de validade do cupom. O usuário precisa ter em mente que, além dele, muitas outras pessoas se interessaram e adquiriram a promoção. Por isso, ao ligar para o estabelecimento marcando uma data para você usufruir do cupom, você pode acabar utilizando o serviço só daqui a alguns meses.

Houve casos em que o único dia disponível para o usufruto do cupom era exatamente no dia seguinte ao do vencimento. Quando isso acontece, o usuário pode entrar em contato com o serviço de compras coletivas, ou com o próprio estabelecimento, e negociar uma solução.

Para evitar este tipo de incômodo é preciso ficar de olhos das datas de validade do cupom e, se possível, ligar para o estabelecimento a fim de marcar um horário logo após a negociação ser concretizada.

Cuidado com o exagero

A tentação dos descontos muitas vezes leva os compradores a adquirirem um produto no impulso, sem pensar se realmente precisam ou têm como pagar por ele. Às vezes a quantidade de promoções compradas é tão grande que os usuários não dão conta de usufruir delas antes do vencimento.

Confie, mas nem tanto

A proposta dos sites de compras coletivas é justamente oferecer grandes promoções em produtos e serviços. Por isso, uma mercadoria ter quase 90% de desconto não significa que ela seja ruim. Muitas vezes os estabelecimentos lucram com o volume de produtos vendidos, e não com o valor propriamente dito.

Esta prática é totalmente legal, no entanto é preciso ficar de olho na chamada “maquiagem de preços”, ou seja, o site anuncia como uma promoção, mas na verdade o preço é o integral. Outra prática ilegal é utilizar preços mentirosos para dizer que o produto está em promoção. A melhor forma de evitar este tipo de problema é consultar o estabelecimento antes de fechar negócio.

Leia os termos de uso

Não são raras as reclamações de usuários que se sentiram enganados e acabaram perdendo a razão por não terem lido os termos de uso dos sites. Esse termo funciona como um contrato, no qual ficam estabelecidos os direitos e deveres das pessoas que utilizam o serviço.

Ler este documento é uma forma de entender como o site funciona e também quais são os seus direitos caso alguma coisa não saia conforme o combinado. Além disso, em posse dos termos de uso do site o usuário pode exigir o cumprimento de alguma cláusula prevista no contrato que foi desrespeitada.

Seja curioso

Na internet é possível encontrar sites de reclamação, no qual os usuários podem expressar sua opinião a respeito de algum serviço prestado. Antes de aceitar qualquer oferta, procure na rede mundial de computadores se alguém já teve problemas com o estabelecimento ou mesmo com o site de compras coletivas que você está usando.

Ter uma reclamação pode não significar nada, mas caso haja muitas reclamações referentes ao serviço, desconfie. Além disso, pesquise e entenda a respeito das formas de pagamento. Caso fique alguma dúvida, entre em contato com o site.

Agora que você já conhece um pouco melhor os serviços de compras coletivas, aproveite para conferir as ofertas da sua cidade. Com as dicas de segurança descritas ao longo deste artigo, e um pouco de bom senso, a chance de ter problemas durante as negociações é bem menor.

E você, caro usuário, já fez compras em sites de compras coletivas? Aproveite o espaço para compartilhar sua experiência.

Eu mereci passar de ano?

13/01/2011 às 10:49 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Você sabe como um maestro treina sua orquestra? Primeiro, ele faz testes e seleciona os profissionais que irão compor a equipe. Depois, pede aos músicos para afinarem seus instrumentos. O terceiro passo é marcar horários com todas as pessoas e escutar cada instrumentista tocar, separadamente, numa sala com uma boa acústica, na presença dele e mais ninguém. Apenas quando todos os componentes estão seguros é que os grupos são formados. Nos ensaios, há a hora para ouvir apenas o violino, apenas o violoncelo, os dois juntos e assim por diante, até que toda a orquestra toque junta.

Esse tempo é necessário para que os ouvidos do maestro e dos músicos agucem. É assim que erros e acertos podem ser permitidos no decorrer dos ensaios. Aos poucos, todos os músicos vão se entrosando, os instrumentos são afinados e o resultado é um espetáculo para nossos ouvidos.

Assim como numa orquestra, existem detalhes que fazem toda a diferença no processo de construção de um ambiente propício para o desenvolvimento de seus colaboradores. Conheça alguns deles e confira se você, como líder, pratica o que fala (ou deveria falar):

  • Você ressalta os pontos fortes de cada pessoa da equipe ou foca somente os pontos fracos? É importante fazer sempre esse balanço, mas elogiar faz um bem danado!
  • Você sempre pergunta como a equipe está se sentindo? Lembre-se, antes de serem profissionais, os colaboradores são humanos.
  • Você dá espaço para que os funcionários digam o que pensam?
  • Você realmente se põe no lugar dos membros de sua equipe? Quando foi a última vez que, apenas por um dia, você assumiu as funções de um colaborador?
  • Você trata seus profissionais também como clientes ou somente como “fornecedores”? Perceba que existe uma diferença de foco nessa pergunta.
  • Você respeita as diferenças? Cada membro da equipe é único e o que deve valer é a meritocracia.
  • Quando as coisas dão erradas, qual é a sua reação? Existe um cristo que sempre “paga o pato”?

Para terminar, faço uma sugestão: envie cada uma das perguntas acima, escritas na primeira pessoa do singular (eu), para cada membro de sua equipe. Peça que avaliem o questionário e não nominem as respostas. Então, e somente então, você saberá se mereceu passar de ano em 2010.

Se você for mal avaliado, não se preocupe. Este pode ser um “ano de recuperação”.

Júlio Clebsch
Gerente editorial da revista Liderança
julio

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: