LEI Nº 7.115, DE 29 DE AGOSTO DE 1983.

31/03/2011 às 18:06 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

LEI Nº 7.115, DE 29 DE AGOSTO DE 1983.

Dispõe sobre prova documental nos casos que indica e da outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. . 1º – A declaração destinada a fazer prova de vida, residência, pobreza, dependência econômica, homonímia ou bons antecedentes, quando firmada pelo próprio interesse ou por procurador bastante, e sob as penas da Lei, presume-se verdadeira.

Parágrafo único – O dispositivo neste artigo não se aplica para fins de prova em processo penal.

Art. . 2º – Se comprovadamente falsa a declaração, sujeitar-se-á o declarante às sanções civis, administrativas e criminais previstas na legislação aplicável.

Art. . 3º – A declaração mencionará expressamente a responsabilidade do declarante.

Art. . 4º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. . 5º – Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, em 29 de agosto de 1983; 162º da Independência e 95º da República.

JOÃO FIGUEIREDO
Ibrahim Arbi-Ackel
Hélio Beltrão

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 30.8.1995

Anúncios

Declaração Anual de Isento

31/03/2011 às 17:59 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Informamos que a Declaração Anual de Isento (DAI) da Secretaria da Receita Federal do Brasil foi instituída com o objetivo de manter atualizado o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

Com a edição da Instrução Normativa RFB nº 864/2008, de 25 de julho de 2008, deixou de existir a Declaração Anual de Isento, a partir do ano de 2008.

A isenção poderá ser comprovada mediante declaração escrita e assinada pelo próprio interessado, conforme previsto na Lei 7.115/83.

Assuntos Relacionados:

Alterações na Tabela Progressiva Mensal

29/03/2011 às 13:18 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
IRRF 2011
Alterações na Tabela Progressiva Mensal
A Tabela Progressiva Mensal para o ano-calendário de 2011, sofreu alterações, conforme previsto na MP 528 de 25 de março de 2011, publicada no DOU de 28.03.2011. Assim, para os rendimentos pagos a partir de 1º de abril de 2011, devem ter as retenções calculadas conforme a seguinte tabela progressiva mensal:

TABELA DO IR FONTE – 2011

Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$)
Até 1.566,61
De 1.566,62 até 2.347,85 7,5 11 7 , 4 9
De 2.347,86 até 3.130,51 15 293,58
De 3.130,52 até 3.911,63 22,5 528,37
Acima de 3.911,63 27,5 723,95

A parcela a deduzir por dependente será de R$ 157,47 (cento e cinquenta e sete reais e quarenta e sete centavos).

A Receita Federal do Brasil, na redação da MP 528/2011, não publicou obrigatoriedade de retroagir e recalcular diferenças de imposto.

Econet Editora Empresarial Ltda

: Exposição no mercado

29/03/2011 às 13:15 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Por meio de promoções, portais permitem a pequenos estabelecimentos divulgar seus produtos na internet

por Agência Sebrae

Considerados a nova febre do comércio eletrônico, os sites de compra coletiva, que tiveram seu conceito importado dos Estados Unidos, chegaram ao Brasil causando revolução no universo dos internautas, até mesmo daqueles que não se consideravam consumistas. Isso porque os descontos oferecidos para se usufruir de bens e serviços são atrativos e conseguem seduzir os mais desapegados.

Na prática, os sites de compra coletiva funcionam de forma gratuita ao usuário, que passa a receber em seu e-mail ofertas de produtos ou serviços com descontos que chegam a 90%, desde que haja um número mínimo de compradores estipulado pelo anunciante. Quando esse número é atingido, basta imprimir um cupom e apresentá-lo no local que anunciou a oferta para desfrutar do desconto.

De 2010 para cá, só em Goiânia já foram criadas 12 empresas especializadas nesse tipo de comércio. A mais recente delas iniciou as atividades em fevereiro. Trata-se do Barato Coletivo, portal de compras coletivas que teve início em Fortaleza e hoje possui filiais em Belém e Recife. “Após o lançamento em Goiânia, o site iniciará suas atividades em Curitiba, Brasília e Belo Horizonte”, anuncia a diretora em Goiânia, Heloíza Cavalcanti, que conta com duas sócias, Nayana Curado e Lara Lobo.

Guia de turismo

Para ser um anunciante não há custo inicial: basta efetuar o repasse de uma porcentagem das vendas concretizadas mediante a realização da promoção. “O melhor é que para o empresário, a grande vantagem desse serviço não é a venda em si dos produtos ou serviços, mas a possibilidade de se mostrar no mercado para um número maior de clientes”, explica Heloíza.

Há quatro anos em Goiás, o idealizador do guia de turismo e negócios Curta Mais, Marcelo Albuquerque, resolveu ampliar sua atuação e lançar o Curta Mais por Menos há cerca de dois meses. A ideia deu certo e o site de compras coletivas contribuiu para triplicar seu faturamento. Marcelo já conta com cem parceiros alinhados com a ideia do site, 30 ofertas lançadas na internet e outras 40 já programadas. “Diariamente, registramos uma média de 2 mil acessos e enviamos nossas ofertas a 50 mil pessoas”, contabiliza.

Iniciante nesse tipo de e-commerce, o Empório Della, tradicional padaria goiana, recorreu ao site de compras coletivas para divulgar seu café da manhã servido aos finais de semana e feriados. Como atrativo, baixou de R$ 10 por pessoa para R$ 4 o preço da refeição. Resultado: conseguiram vender 930 cafés com data para serem degustados até o final de fevereiro. Entre as pessoas adeptas da promoção, a equipe reparou que a grande maioria é formada por novos clientes e não pelos habituais clientes.

Perda de receita com correção do IR será compensada com aumento de impostos

29/03/2011 às 13:10 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Wellton Máximo

Os aumentos de impostos anunciados pelo governo mais do que compensarão o impacto fiscal da correção da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) em 2011. Segundo números divulgados dia (28) pela Receita Federal, o governo deixará de arrecadar R$ 1,612 bilhão neste ano com o reajuste da tabela, mas R$ 1,750 bilhão a mais entrarão nos cofres públicos por causa do reajuste dos impostos sobre bebidas e sobre compras de cartões de crédito no exterior.

A maior fonte de receitas virá do aumento de impostos sobre as bebidas frias (água, refrigerante, cerveja, isotônicos e energéticos), que renderá R$ 948 milhões ao governo neste ano. O aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre as compras de cartões de crédito no exterior será responsável por R$ 802 milhões.

Segundo o subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal, Sandro Serpa, a Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece a preocupação com as fontes de recursos. “O Orçamento precisa especificar as fontes de recursos. Uma perda de receitas precisa ser compensada de alguma forma”.

Medida provisória publicada hoje no Diário Oficial da União corrigiu a tabela do IRPF em 4,5% até 2014. Em contrapartida, o governo editou dois decretos com o aumento do IOF de 2,28% para 6,28% para as compras de cartões de crédito no exterior e com o reajuste nos preços de referências que servem de base para o imposto cobrado sobre as bebidas frias.

O subsecretário admitiu ainda que o governo está estudando a cobrança de 6% de IOF sobre empréstimos de bancos e empresas no exterior, mas evitou dar detalhes. “O governo não comenta medida em elaboração”.

Fonte: Agência Brasil

NOVA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA MENSAL

28/03/2011 às 18:46 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário
NOVA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA MENSAL
O art. 1º da Medida Provisória nº 528, de 25.03.2011 (DOU de 28.03.2011), altera o art. 1º da Lei nº 11.482, de 31 de maio de 2007, inserindo as novas tabelas para efeito de cálculo do Imposto de Renda na Fonte para os anos: 2011, 2012, 2013 e 2014, sendo que a tabela para o ano de 2011 deve ser aplicada a partir de 1º de abril de 2011, segue:

I – para o ano-calendário de 2011:

Tabela Progressiva Mensal

Base de Cálculo (R$)
Alíquota (%)
Parcela a Deduzir do IR R$
Até 1.566,61
De 1.566,62 até 2.347,85
7,5
117,49
De 2.347,86 até 3.130,51
15
293,58
De 3.130,52 até 3.911,63
22,5
528,37
Acima de 3.911,63
27,5
723,95

II – para o ano-calendário de 2012:

Tabela Progressiva Mensal

Base de Cálculo (R$)
Alíquota (%)
Parcela a Deduzir do IR R$
Até 1.637,11
De 1.637,12 até 2.453,50
7,5
122,78
De 2.453,51 até 3.271,38
15
306,80
De 3.271,39 até 4.087,65
22,5
552,15
Acima de 4.087,65
27,5
756,53

III – para o ano-calendário de 2013:

Tabela Progressiva Mensal

Base de Cálculo (R$)
Alíquota (%)
Parcela a Deduzir do IR R$
Até 1710,78
De 1.710,79 até 2.563,91
7,5
128,31
De 2.563,92 até 3.418,59
15
320,60
De 3.418,60 até 4.271,59
22,5
577,00
Acima de 4.271,59
27,5
790,58

IV – A partir do ano-calendário de 2014:

Tabela Progressiva Mensal

Base de Cálculo (R$)
Alíquota (%)
Parcela a Deduzir do IR R$
Até 1.787,77 
De 1.787,78 até 2.679,29
7,5
134,08
De 2.679,30 até 3.572,43
15
335,03
De 3.572,44 até 4.463,81
22,5
602,96
Acima de 4.463,81
27,5
826,15

Limite de isenção:

a) R$ 1.566,61 (mil, quinhentos e sessenta e seis reais e sessenta e um centavos), por mês, para o ano-calendário de 2011;

b) R$ 1.637,11 (mil, seiscentos e trinta e sete reais e onze centavos), por mês, para o ano-calendário de 2012;

c) R$ 1.710,78 (mil, setecentos e dez reais e setenta e oito centavos), por mês, para o
ano-calendário de 2013;

d) R$ 1.787,77 (mil, setecentos e oitenta e sete reais e setenta e sete centavos), por mês, a partir do ano-calendário de 2014.

Dedução por dependente

a) R$ 157,47 (cento e cinqüenta e sete reais e quarenta e sete centavos), para o ano-calendário de 2011;

b) R$ 164,56 (cento e sessenta e quatro reais e cinqüenta e seis centavos), para o ano-calendário de 2012;

c) R$ 171,97 (cento e setenta e um reais e noventa e sete centavos), para o ano-calendário de 2013;

d) R$ 179,71 (cento e setenta e nove reais e setenta e um centavos), a partir do ano-calendário de 2014.

Parcela isenta a partir de 65 anos de idade no caso de aposentadoria:

a) R$ 1.566,61 (mil, quinhentos e sessenta e seis reais e sessenta e um centavos), por mês, para o ano-calendário de 2011;

b) R$ 1.637,11 (mil, seiscentos e trinta e sete reais e onze centavos), por mês, para o ano-calendário de 2012;

c) R$ 1.710,78 (mil, setecentos e dez reais e setenta e oito centavos), por mês, para o ano-calendário de 2013;

d) R$ 1.787,77 (mil, setecentos e oitenta e sete reais e setenta e sete centavos), por mês, a partir do ano-calendário de 2014.

Despesa Com Instrução

a) R$ 2.958,23 (dois mil, novecentos e cinqüenta e oito reais e vinte e três centavos) para o ano-calendário de 2011;

b) R$ 3.091,35 (três mil, noventa e um reais e trinta e cinco centavos) para o ano-calendário de 2012;

c) R$ 3.230,46 (três mil, duzentos e trinta reais e quarenta e seis centavos) para o ano-calendário de 2013;

d) R$ 3.375,83 (três mil, trezentos e setenta e cinco reais e oitenta e três centavos) a partir do ano-calendário de 2014.

DASN: PRAZO DE ENTREGA PRORROGADO PARA 15/04/2011

28/03/2011 às 12:07 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

No último dia 23 o presidente da Fenacon, Valdir Pietrobon, já tinha entrado em contato com o órgão para relatar os problemas encontrados pelos usuários para entrega da declaração.

O Comitê Gestor do Simples Nacional divulgou no final da tarde do dia 25/03 (6ª feira), documento em que informa a prorrogação do prazo para entrega da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN), para o dia 15 de abril.

Além, solicitou que se o problema persistisse o prazo fosse adiado. "É muito importante percebermos que as entidades governamentais estão sensíveis as dificuldades diárias enfrentadas com relação a entrega de declarações. Sem dúvida essa alteração na data também é mais uma conquista da Fenacon em prol de todo o Sistema", afirma.

Segue a íntegra do comunicado:

Prezados(as),

O Comitê Gestor do Simples Nacional alterou para 15/04/2011 o prazo de entrega da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN), para a ME ou EPP optante pelo Simples Nacional em 2010.

A resolução será encaminhada para publicação no Diário Oficial da União.

SILAS SANTIAGO
Secretário-Executivo
Gestor do Simples Nacional

Fonte: FENACON.

Erro dos outros: na hora de terceirizar declaração do IR, como evitar problemas?

25/03/2011 às 13:47 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A recomendação é a melhor forma de contratar um profissional ou uma empresa para fazer este tipo de serviço.

Com medo de errar e prejudicar o recebimento da restituição, ou ter de pagar além do necessário para o Fisco, muitos contribuintes optam por contratar um profissional para fazer a Declaração de Imposto de Renda.

No entanto, fica a dúvida: e se o profissional, mesmo que sem querer, cometer algum equívoco e fizer com que a declaração do contribuinte seja retida na malha fina?

Prestação de Serviços

A contratação do profissional não deixa de ser uma prestação de serviços e, por conta disso, a pessoa contratada responde por todos os custos no caso de informações incorretas – desde que o contribuinte comprove ter informado corretamente.

No entanto, quem responderá para a Receita será o próprio contribuinte, afinal, é o nome e o CPF dele que constam na declaração. No caso de problemas, cabe ao contribuinte acertar as contas com a Receita e depois ir atrás de seus direitos, amigável ou judicialmente, se for necessário.

Segundo especialistas consultados pelo InfoMoney, a pessoa pode mover ação tanto por danos materiais, como por danos morais, contra o profissional contratado.

Como evitar problemas

A recomendação é a melhor forma de contratar um profissional ou uma empresa para fazer este tipo de serviço. Não é possível ter 100% de certeza mas, escolhendo alguém recomendado por amigos ou parentes, é possível reduzir a possibilidade de erros ou de contratar alguém que aja de má-fé.

Além disso, é importante, principalmente nesta época, ficar de olho em profissionais e empresas que anunciam preços muito abaixo do mercado. Nesta época, muitos se aproveitam do desconhecimento do contribuinte para lucrar com declarações fraudulentas, que estão na mira da Receita.

Profissional também deve se precaver

Não é só o contribuinte que deve ficar atento nesta época. Profissionais que prestam esse tipo de serviço também devem se cercar de cuidados, para não cair em armadilhas.

Para evitar problemas, o prestador de serviço deve tomar o cuidado de protocolar todos os documentos que receber. Isso evita que o profissional leve a culpa, caso o contribuinte omita alguma informaçãoo. Além disso, é importante frisar que a Receita tem cinco anos para avaliar a declaração, ou seja, o profissional tem todo esse tempo para responder pelo documento.

Fonte: Infomoney
Patricia Alves

Empresas devem ficar atentas à nova obrigação acessória

24/03/2011 às 14:22 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A partir de abril, EFD PIS/Cofins estará inclusa no SPED; empresários deverão enviar declaração mensalmente

Eber Freitas

Outra pegadinha da Receita Federal deve deixar os empresários de orelha em pé: a partir de abril, a União irá solicitar das empresas, por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), a declaração de pagamento dos tributos PIS e Cofins. Especialistas em tributos recomendam atenção e cautela, pois erros de informação podem gerar um mal-estar junto ao Fisco.

Segundo a especialista Alessandra Cristina Borrego Matheus, da consultoria De Biasi Auditores Independentes, se for constatado pela Receita que eventuais equívocos resultaram em menor arrecadação, o empresário poderá ter dores de cabeça bem incômodas. Segundo ela, "o Fisco, ao identificar erros por parte do contribuinte que impactem em menor arrecadação, poderá iniciar processo de fiscalização para apurar os valores eventualmente recolhidos a menor"

Para ela, o SPED é uma ferramenta extremamente útil para a Receita Federal, uma vez que permite uma apuração mais eficiente do que é arrecadado e das atividades financeiras exercidas pelos contribuintes. De fato, quem não tem o que esconder não precisa ter outra preocupação além de dominar o software.

Outra desvantagem para os empresários é a famigerada complexidade da legislação tributária brasileira. "A EFD PIS COFINS exige dos contribuintes a abertura das operações sujeitas a apuração de débitos e créditos de PIS e Cofins, assim as empresas deverão atentar-se quanto à correta apuração dos tributos uma vez que, com a EFD PIS Cofins, a Receita poderá identificar inconsistências e incorreções por inobservância da legislação e identificar contribuintes para os quais é necessária a realização de auditoria por parte do órgão", explica Alessandra.

Cronograma

A auditora explica que os contribuintes deverão transmitir a Escrituração Fiscal Digital (EFD) PIS/COFINS ao SPED a partir dos fatos geradores ocorridos a partir do mês de abril/2011, observado o seguinte cronograma:

1. em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de abril de 2011, as pessoas jurídicas sujeitas a acompanhamento econômico-tributário diferenciado e sujeitas à tributação do Imposto sobre a Renda com base no Lucro Real;

2. em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de julho de 2011, as demais pessoas jurídicas sujeitas à tributação do Imposto sobre a Renda com base no Lucro Real;

3. em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de janeiro de 2012, as demais pessoas jurídicas sujeitas à tributação do Imposto sobre a Renda com base no Lucro Presumido ou Arbitrado.

A EFD PIS/Cofins deve ser transmitida mensalmente ao Sped até o quinto dia útil do segundo mês subsequente a que se refira a escrituração.

Fonte: Administradores.com.br

Comunicado Fiscalização do CRCSC

22/03/2011 às 14:47 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Referente aos anúncios feitos na internet, em sites de descontos por venda em grupo, o CRCSC – por meio de seu setor de Fiscalização – já tomou as devidas providências: os anúncios já foram retirados do ar e os profissionais que ofereceram o serviço foram orientados pelos fiscais.

É preciso destacar que o Código de Ética Profissional do Contador (CEPC) dispõe:
• Art. 3º No desempenho de suas funções, é vedado ao Profissional da Contabilidade:
II – assumir, direta ou indiretamente, serviços de qualquer natureza, com prejuízo moral ou desprestígio para a classe;
VII – valer-se de agenciador de serviços, mediante participação desse nos honorários a receber;

No Capítulo III, DO VALOR DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS, do CEPC, está colocado,
• Art. 6º O Contabilista deve fixar previamente o valor dos serviços, por contrato escrito, considerados os elementos seguintes:
(Redação alterada pela Resolução CFC nº 942, de 30 de agosto de 2002)
I – a relevância, o vulto, a complexidade e a dificuldade do serviço a executar;
II – o tempo que será consumido para a realização do trabalho;
III – a possibilidade de ficar impedido da realização de outros serviços;
IV – o resultado lícito favorável que para o contratante advirá com o serviço prestado;
V – a peculiaridade de tratar-se de cliente eventual, habitual ou permanente;
VI – o local em que o serviço será prestado.
• Art. 8º É vedado ao Contabilista oferecer ou disputar serviços profissionais mediante aviltamento de honorários ou em concorrência desleal.

Desta forma, a oferta de serviços contábeis da forma como estava sendo feita, em sites de compras em grupo, afronta diretamente o Código de Ética Profissional do Contador e não deve ser utilizado pelos profissionais e escritório para angariar clientes.

Vencimento da anuidade CRCSC: 31.03.2011
Clique aqui para imprimir a guia

Emprego e Varejo

22/03/2011 às 12:35 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Marcos Gouvêa Diretor-geral da GS&MD – Gouvêa de Souza

Fonte: Brasil Econômico

Em 2010, segundo as informações do Ministério do Trabalho, antecipando dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram gerados 2,5 milhões de empregos formais no país, dos quais 19,8% no comércio varejista. O setor público segue como o maior empregador formal no País, com 8,8 milhões de pessoas; seguido do varejo, com 6,9 milhões. Esse, porém, é o que apresenta o maior crescimento, permitindo prever que deverá continuar se expandindo nos próximos anos.

O emprego no Brasil vive um momento particularmente efusivo, com taxas de desemprego muito baixas em níveis históricos (5,3% em dezembro e 6,7% na média do ano), abaixo dos 8,1% de 2009 e dos 7,9% de 2008, resultado do crescimento econômico que o país viveu nos últimos anos, a despeito da crise global. O que justifica essa expansão e o crescimento formal do emprego no varejo é a expansão do próprio setor, que atingiu 10,9% em 2010, depois de ter subido 5,9% em2009, embalado pelo aumento da oferta de crédito, pela melhoria da renda real da população, pela expansão do emprego e pelo crescimento da confiança do consumidor. Essa soma de fatores tem feito crescer o consumo das famílias e, consequentemente, as vendas do varejo.

Diferentemente de muitos outros setores econômicos, nos quais o crescimento se faz cada vez mais com a incorporação de mais tecnologia, automação, robotização e outros recursos, o varejo, ao expandir, é obrigado a contratarmais nas lojas, centros de distribuição, serviços financeiros e infraestrutura, além de gerar empregos emtoda a cadeia de abastecimento, envolvendo fornecedores de produtos e serviços.

Os quase 140 mil funcionários diretos do Grupo Pão de Açúcar, maior varejista do país, são quase o dobro de todo o emprego gerado na indústria automobilística.

No entanto, quando o governo, no final de 2008, procurava alternativas para ativar a economia local ante o perigo de contaminação pela crise global, a primeira alternativa colocada em prática foi a redução do IPI para a indústria automobilística, demonstrando a falta de sensibilidade para quem é de fato o maior gerador privado de empregos. Não fosse o trabalho do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) mostrando essa realidade, não teria havido a extensão desse benefício para os eletrodomésticos, produtos de apelo muito mais popular, posteriormente estendido para os materiais de construção e,mais tarde, para os móveis.

O setor varejista deverá continuar liderando o crescimento do emprego privado – apesar da expansão dos negócios via internet – de forma objetiva para melhorar os serviços e os negócios, atingindo novos mercados, novos consumidores, novas realidades.

Um pouco mais de sensibilidade e conhecimento dessa realidade, seguramente poderiam ajudar o setor varejista a contribuir ainda mais para a expansão econômica do país. É só uma questão de grandeza.

Um mínimo de bom senso e visão.

“O setor varejista deverá continuar liderando o crescimento do emprego privado – apesar da expansão dos negócios via internet”

DIRPF – FICHA DE PAGAMENTOS E DOAÇÕES EFETUADOS

21/03/2011 às 15:23 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário
DIRPF – FICHA DE PAGAMENTOS E DOAÇÕES EFETUADOS

Veja nesta Dica ITC sobre as informações que devem ser prestadas na ficha de "Pagamentos e Doações" da DIRPF pelos contribuintes obrigados a entrega desta declaração.

O artigo 930 do Decreto 3000/99 – RIR/99, dispõe que as pessoas físicas deverão informar à Secretaria da Receita Federal, através da ficha de "Pagamentos e Doações" da DIRPF, os valores que pagaram no ano anterior, por si ou como representante de terceiros, mesmo que não utilizados como dedução na declaração, para:

– pessoas físicas, tais como pensão alimentícia, aluguéis, arrendamento rural, instrução, pagamentos a profissionais autônomos (médicos, dentistas, psicólogos, advogados, engenheiros, arquitetos, corretores, professores, mecânicos etc.), contribuição patronal paga à Previdência Social pelo empregador doméstico;

– pessoas jurídicas, quando dedutíveis na declaração.

Portanto, independente da forma de tributação escolhida pelo contribuinte, o preenchimento da ficha "Pagamentos e Doações" com as informações mencionadas acima é obrigatória.

A falta destas informações na DIRPF sujeitará o contribuinte à multa de 20% (vinte por cento) do valor não declarado.

Base Legal: Art. 13 do Decreto-lei nº 2.396/87; Art. 930 e 967 do Decreto nº 3.000/99 – (RIR/1999).

Fonte: Consultoria IR do ITC.

DMED – DISPENSA ENTREGA

21/03/2011 às 15:08 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
DMED – DISPENSA DE ENTREGA

Receita Federal Disciplina as Condições Para Dispensa de Entrega da DMED

A Receita Federal do Brasil, através da IN RFB n° 1.136/2011 confirma algumas dispensas de entrega da DMED, em relação às seguintes pessoas jurídicas.

I – inativas;

II – ativas que não tenham prestado os serviços de que trata a IN RFB n° 985/2009; ou

III – que, tendo prestado os serviços de que trata a Instrução Normativa 985/2009, tenham recebido pagamento exclusivamente de pessoas jurídicas.

A IN RFB n° 985/2009, somente continha as condições de obrigatoriedade, não comentando quem está dispensado. Agora com a alteração promovida, foi dado maior clareza e objetividade ao texto.

Fonte: Econet Editora Empresarial Ltda

INTIMAÇÃO ELETRÔNICA VAI AGILIZAR A COBRANÇA DE DÉBITOS DECLARADOS NA DCTF

21/03/2011 às 13:43 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Fonte: Receita Federal do Brasil

Montante exigido está calculado em R$ 6 bilhões.

A Receita Federal começou intimar, esta semana, cerca de 440 mil empresas que possuem saldos devedores declarados na Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), perfazendo um montante exigido de R$ 6 bilhões.

A DCTF é uma declaração que é entregue até o 15º dia útil do segundo mês subsequente aos fatos geradores. Neste documento são informados os tributos pagos, parcelados e se a pessoa jurídica tem saldo a pagar. O total de empresas obrigadas a apresentar a DCTF é de 1,6 milhão.

A cobrança deste débito demorava de sete a oito meses, agora com a notificação eletrônica o débito vai ser cobrado no mês seguinte ao da entrega da declaração. As mudanças no procedimento de cobrança foram anunciadas hoje (17), pelo Subsecretário de Arrecadação, Cobrança e Atendimento, Carlos Roberto Occaso, em entrevista coletiva.

Trata-se do resultado do trabalho, iniciado em 2010, de aperfeiçoamento dos procedimentos de auditoria interna, visando agilizar e simplificar os métodos de cobrança.

Com a significativa redução de tempo entre a transmissão da declaração pelo contribuinte, com o processamento das informações e o envio sistemático dos avisos de cobrança, espera-se um acréscimo de R$280 milhões mensais na arrecadação.

Neste primeiro lote, serão cobrados débitos declarados nas DCTF transmitidas nos últimos seis meses, cujo saldo devedor ainda não foi regularizado.

Novidades na cobrança

As intimações serão enviadas para a caixa postal eletrônica que as empresas possuem no ambiente do e-CAC (atendimento virtual) no sítio da Receita na internet, onde poderão ser consultados os débitos e gerados os DARF, com os devidos acréscimos moratórios, para pagamento.

O contribuinte que receber a intimação terá o prazo de 30 dias para regularizar a situação, evitando-se, assim, que os débitos sejam enviados para inscrição em Dívida Ativa da União e para o Cadin.

Este serviço virtual é acessível para as empresas que optarem pelo domicílio tributário eletrônico. O prazo das intimações recebidas por este ambiente começa a contar 15 dias depois do enviou da mensagem para a caixa eletrônica. Para saber se a intimação chegou na caixa o contribuinte pode cadastrar até 3 números de telefones celulares.

Curso ITC: “SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS/SC – Novas Regras para 2011 – 5ª Turma

19/03/2011 às 13:32 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

topo.jpg

ITC CURSOS e TREINAMENTOS promove em

FLORIANÓPOLIS

O CURSO:

"SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS/SC"
– Novas Regras para 2011 –

– 5ª Turma –

73.jpg

OBJETIVO: Abordar as alterações introduzidas ao Anexo 3 do RICMS-SC/01 para o ano de 2011, relativas ao regime de substituição tributária; permitir ao participante que conheça a aplicação da legislação do ICMS neste regime em SC, bem como apresentar as novos prazos e procedimentos para o recolhimento do ICMS relativo às entradas interestaduais a partir de 1º de março de 2011, com exemplos práticos, facilitando a adoção das medidas necessárias para o levantamento dos estoques das mercadorias incluídas e excluídas do referido regime em 01.03.2011; a nova forma de cálculo da REDUÇÃO DAS MVAs para os optantes pelo SIMPLES NACIONAL, de acordo com o Decreto nº 3.769/2010 e, ainda, a emissão e escrituração das notas fiscais relativas aos produtos sujeitos ao regime de substituição tributária.

DESTINA-SE: Profissionais que atuam na da área fiscal, nos departamentos de compras e financeiro,
tais como contadores, auditores, técnicos em contabilidade, gerentes, supervisores
ou assistentes dos departamentos citados, e demais profissionais interessados.

seta010.gifPROGRAMA:

1 – Conceitos: Contribuinte Substituto e Contribuinte Substituído

2 – Substituição Tributária nas Operações Antecedentes (diferimento)
2.1 – Aplicabilidade
2.2 – Base de Cálculo
2.3 – Recolhimento do ICMS
2.4 – Emissão da Nota Fiscal
2.5 – Casos Específicos de Substituição Tributária (diferimento)

3 – Substituição Tributária nas Operações Concomitantes
3.1 – Transporte Efetuado por Transportador Autônomo ou Não-Inscrito em SC

4 – Substituição Tributária nas Operações Subseqüentes
4.1 – Produtos Sujeitos ao Regime (inclusão e exclusão de mercadorias a partir de 01.03.2011)
4.2 – Inaplicabilidade do Regime (novas formas de inaplicabilidade a partir de 01.03.2011)
4.3 – Base de Cálculo
4.4 – Cálculo do ICMS
4.5 – Recolhimento do ICMS pelo Substituto Tributário
4.6 – Recolhimento do ICMS pelo Substituído – Responsabilidade
4.6 – Ressarcimento
4.7 – Restituição
4.8 – Hipóteses de Direito a Crédito
4.9 – Cadastro de Contribuinte Substituto Estabelecido em Outra Unidade da Federação
4.10 – Emissão e Escrituração dos Documentos Fiscais
4.11 – Devolução de Mercadorias
4.12 – Venda Fora do Estabelecimento
4.13 – Procedimentos na Inclusão ou Exclusão de Mercadorias no Regime de Substituição Tributária
4.14 – Declarações e Informações Fiscais
4.15 – Fiscalização ]
4.16 – Casos Específicos de Mercadorias Sujeitas ao Regime de Substituição Tributária
4.17 – Regime Especial para Distribuidoras e Atacadistas (Aspectos Relacionados à Substituição Tributária)
4.18 – Aplicação da Substituição Tributárias nas Empresas Optantes pelo Simples Nacional
4.19 – Abordagem sobre os Novos Produtos Sujeitos ao Regime de Substituição Tributária a partir de 01/05/2010:
– Materiais de Construção;
– Produtos Alimentícios;
– Artefatos de Uso Doméstico;
– Colchoaria;
– Cosméticos, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e de Toucador;
– Produtos Eletrônicos, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos;
– Ferramentas;
– Instrumentos Musicais;
– Máquinas e Aparelhos Mecânicos, Elétricos, Eletromecânicos e Automáticos;
– Material de Limpeza;
– Materiais Elétricos;
– Artigos de Papelaria;
– Bicicletas; e
– Brinquedos;

5 – Nova forma de apuração da base de cálculo e da MVA ajustada para produtos com redução na base de cálculo a partir de 01.03.2011

6 – Nova forma de apuração da Redução das MVA’s para os optantes pelo SIMPLES NACIONAL, de acordo com o Decreto nº 3769/2010, com vigência a partir de 01.03.2011.

seta010.gifLOCAL/DATA:

seta010.gifFLORIANÓPOLIS:25 de MARÇO de 2011 (08:00 horas/aula)
seta010.gifLOCAL:Rua: Antonio Dib Mussi, 474, 1º Piso, Centro, Auditório do ITC.
seta010.gifHORÁRIO:Das 08:30 às 12:00 e das 13:30 às 18:00hs (08:00 horas/aula).

seta010.gifINVESTIMENTO: R$ 185,00 para assinantes ITC e R$ 250,00 para não assinantes.

Estão incluídos no valor do investimento: Certificado, Apostila e Coffee-break.

seta010.gifINSTRUTORA:
consultor7.gif

Em razão do quorum mínimo para o adequado desenvolvimento do curso,
reservamo-nos o direito de reprogramar ou suspender o evento, providência
que será previamente informada aos inscritos.
O cancelamento da inscrição só será aceito com antecedência mínima
de 4 dias úteis. Poderá haver a devolução do valor ou crédito para outro seminário.

NÃO DEIXE PARA A ÚLTIMA HORA, ACESSE O LINK ABAIXO, FAÇA A
PRÉ-INSCRIÇÃO E GARANTA SUA VAGA!

seta010.gifCLIQUE AQUI E FAÇA SUA INSCRIÇÃO ON-LINE

VAGAS LIMITADAS!

MAIS INFORMAÇÕES: 0 XX (48) 3205-2200

ITC Consultoria Ltda
(48) 3205-2200
Rua Antonio Dib Mussi, 474, 1º piso, entrada lateral – Centro
CEP: 88015-110 – Florianópolis / SC
www.itcnet.com.br
www.itcnet.com.br/curso

Para fisgar o e-consumidor

17/03/2011 às 18:36 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Descubra o perfil do consumidor on-line brasileiro com o auxílio do Ibope Mídia que entrevistou 2.500 internautas em 11 regiões do País

por Alexandre Gonçalves – Revista Dirigente Lojista

O Ibope Mídia entrevistou 2.500 internautas em 11 regiões do País, incluindo cinco capitais e o Distrito Federal com uma missão: descobrir o perfil do consumidor on-line brasileiro. E a pesquisa apontou como principais resultados que o e-consumidor verde e amarelo tem 33 anos, pertence à classe AB, gasta em média R$ 118 por mês em compras pela internet e está concentrado entre São Paulo e Rio de Janeiro (37% dos entrevistados).

O levantamento foi realizado entre maio e junho de 2010 e se apoiou na base de dados mundial do Target Group Index, com um universo de 61 milhões de pessoas entre 15 e 64 anos. Veja a seguir mais dados da pesquisa.

Faixa etária – De acordo com a pesquisa, a faixa etária que mais consome em lojas virtuais é a que está entre 25 e 44 anos, totalizando 48%, sendo que a idade média do e-consumidor brasileiro é 33 anos. A segunda faixa etária que mais consome na internet brasileira, 17%, é formada por compradores que possuem idade entre 20 e 24 anos.

Gênero e estado civil – Os homens compram mais pela internet do que as mulheres (54% contra 46%). Enquanto isso, há um equilíbrio entre casados e solteiros: 49% e 41%, respectivamente.
Localização – Outra característica do comércio eletrônico brasileiro é a concentração, aponta a pesquisa. As cidades de São Paulo e Rio de Janeiro reúnem 37% dos compradores em lojas virtuais.
Classe socioeconômica – Como destacado, o e-consumidor é, em sua maioria, da classe AB, respondendo por 61% da receita do e-commerce brasileiro. A classe C, que vem ganhando destaque no mercado consumidor, aparece na pesquisa com 35%, enquanto que a classe DE soma 4%.
Produtos preferidos – Os e-consumidores virtuais estão interessados em comprar livros (30%), telefones e acessórios para celulares (20%), eletrodomésticos (18%) e produtos de tecnologia pessoal (17%).

Desejos de compra – Um total de 25% dos entrevistados respondeu querer comprar câmeras digitais. Outros 17%, celulares, sendo que 15% declararam o desejo de comprar um iPhone.
Preferências – Cerca de 80% dos entrevistados navegam pela web para comparar preços. Outros 66% responderam que realizaram de uma a cinco compras pela internet nos últimos seis meses, enquanto que 30% disseram ter gasto pelo menos R$ 224 nas compras on-line no mesmo período.

De olho nos números

Confira o desempenho do comércio eletrônico brasileiro em 2010, com destaque para o período do Natal, de acordo com levantamento da camara-e.net.

– R$ 2,2 bilhões é o valor movimentado em vendas de bens de consumo entre 15 de novembro e 24 de dezembro, representando aumento de 40% em relação ao mesmo período de 2009.
– 6 milhões é o total de pedidos também entre 15 de novembro e 24 de dezembro.
– 224 mil foi o pico de pedidos ocorrido no dia 14 de dezembro. Em 2009, o pico foi de 150 mil pedidos no dia 16 de dezembro.

Como fisgar

O desempenho do mercado on-line no Brasil não poderia ser melhor, como mostram os números publicados nesta edição do TecnoVarejo. E diante de um segmento com bons resultados e perspectivas ainda melhores, que estratégias um lojista deve adotar para fisgar o consumidor on-line?
Quem responde é o consultor Sílvio Tanabe, consultor da Magoweb e autor do blog Clínica Marketing Digital (www.magoweb.com/clinicadigital), que preparou uma lista com cinco aspectos que devem ser considerados por quem deseja investir em marketing digital em 2011.

E-Commerce – As plataformas de e-commerce são cada vez mais acessíveis, seguras e com vários recursos para administração, controle de estoque, vendas e formas de pagamento. O desafio atual para o sucesso no comércio eletrônico está no atendimento, logística e segmentação.
Publicidade on-line – Os investimentos em publicidade on-line também precisam ser aprimorados. Não se trata necessariamente de aumentar a verba, mas atuar de forma diferenciada para destacar a empresa. É preciso buscar formas criativas de utilizar ferramentas tradicionais, como links patrocinados, otimização e e-mail marketing, e avaliar o investimento em sites de compra coletiva e programa de afiliados.

Redes sociais – Torna-se quase obrigatório estar presente nas redes e mídias sociais devido à abrangência entre os internautas e crescimento em importância nas decisões de compra. Mas para se obter resultados efetivos é necessário considerar duas variáveis essenciais: seu público-alvo e a forma como ele interage em cada rede social.

Tendências – Em 2011, a tendência que merece mais atenção é o mobile marketing. Acompanhe a popularização dos smartphones com conexão à internet, do iPad e tablets (computadores sem teclado), que possibilitam novas formas de publicidade, como aplicativos (APPs) e games.

Profissionalização – Seja por meio de profissionais próprios ou de uma agência, é necessário ter a orientação e suporte especializado para planejar, executar e acompanhar as diversas ações, que além de tudo precisam estar alinhadas e integradas a outras atividades comerciais e de marketing da empresa.

Tem que ter conteúdo

Inova Tecnologias, empresa especializada em sistema de e-mails, realizou uma pesquisa on-line sobre e-mail marketing entre os brasileiros e obteve como principal resultado a preferência por mensagens com conteúdo editorial. No total, 76% dos entrevistados preferem receber novidades e ofertas das empresas via e-mail marketing, mas esperam que estas mensagens contenham conteúdo editorial relevante. Veja alguns dos resultados da pesquisa:
• 78% dos usuários afirmam que costumam ler os boletins que veiculam conteúdo editorial, número que cai para 45% quando o boletim contém apenas anúncios publicitários;
• 76% dos usuários desejam receber ofertas de produtos e serviços por e-mail e 27% dos usuários preferem a mala-direta postal tradicional. Apenas 10% são receptivos a ligações promocionais e 5% a visitas comerciais;
• Os usuários são mais receptivos a receber e-mail marketing de empresas que possuem escritório ou loja em sua cidade do que de empresas que atuam apenas pela internet;
• Os usuários preferem receber e-mails comerciais mensalmente (38%) ou semanalmente (25%);
• Os fatores mais importantes para julgar se uma mensagem é ou não spam são, em lados opostos, a predominância de conteúdo editorial relevante (a maioria diz que não marcaria como spam) e a predominância de anúncios (a maioria marcaria como spam ou apagaria a mensagem sem ler).

Otimismo contido

O cenário promissor para 2011 também é partilhado, com ressalvas, pelo economista Roberto Meurer, da Universidade Federal de Santa Catarina. Segundo ele, como o consumo está ancorado principalmente na evolução da renda das famílias, que determina o limite para os gastos, existe uma boa perspectiva para o crescimento da economia brasileira, com uma expansão em níveis similares ao PIB. ”O fato de estar ocorrendo uma melhora na distribuição da renda e a inclusão de mais famílias acima do nível de pobreza geram um efeito de expansão adicional no consumo, porque o poder de compra dos segmentos de renda mais baixa é cada vez maior, o que gera um efeito imediato”, argumenta Meurer.

O professor da UFSC lembra, no entanto, que o governo não poderá perder o pulso na condução de áreas sensíveis como a busca constante pela redução do gasto público. Um descontrole pode se constituir em uma ameaça para a estabilidade, já que o déficit gerado a partir de condições fiscais avariadas tem o poder de interferir na confiança dos agentes econômicos. ”O problema com os gastos do governo é a dificuldade de revertê-los quando a economia está em crescimento. A preocupação com o gasto público decorre do seu efeito sobre a dívida pública, já que uma dívida muito alta aumenta os riscos e com isso as taxas de juros exigidas pelos compradores dos títulos públicos aumentam. Isto explica a política fiscal de geração de superávits primários adotada pelo governo brasileiro, cujo objetivo é reduzir a dívida em relação ao tamanho da economia”, ensina Meurer.

De acordo com o economista, só com dívida mais baixa é que pode ocorrer uma redução estrutural da taxa de juros, cujos efeitos não se restringem ao custo do endividamento do governo, mas também no custo do financiameno ao setor privado, fazendo com que os compradores de títulos tenham de encontrar alternativas para a aplicação de seus recursos. ”Por isso, a bandeira de austeridade fiscal do novo governo busca exatamente evitar a geração de expectativas de descontrole da dívida”, lembra.

Acerte na escolha

16/03/2011 às 18:24 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Tudo o que você precisa saber para contratar e selecionar novos colaboradores para sua loja, evitando equívocos

por Alexandre Gonçalves – Revista Dirigente Lojista

Se há vagas, há também uma série de cuidados que o lojista deve tomar para contratar os melhores
funcionários, temporários ou não, para o seu estabelecimento. Para isso, não basta apenas um anúncio chamativo nos classificados do jornal de domingo. É preciso seguir critérios para que a contratação da mão de obra para a loja não se transforme numa soma de equívocos que poderão
acarretar em prejuízos. “Acredito que duas competências devem ser essenciais: vontade e facilidade de relacionamento”, diz Fernando Lucena, consultor do Grupo Friedman (www.friedman.com.br). “O restante, tal como conhecimento do produto, conhecimento das operações de rotina e técnicas de venda e atendimento, pode ser ensinado.”

“Eu tenho dito que cliente é gente e os vendedores também são gente e que, por isso, mais do que vender, hoje em dia, o varejo tem que pensar que o maior investimento para conseguir resultados
perenes é se relacionar com o cliente.” Esta é a opinião de Fred Alecrim, consultor da Ponto de Referência (www.uaugomais.com.br). Para ele, quanto melhor o relacionamento, mais reputação será gerada. A soma do relacionamento com a reputação trará o resultado que o lojista precisa hoje, amanhã e sempre. “A partir disso, para definir os critérios de contratação, é preciso definir qual é o perfil do seu negócio”, ensina Alecrim. “Depois, pensar em que tipo de gente você precisa ter para atender o cliente que visita sua loja.”

O consultor explica que isso aumenta muito as chances de sucesso na contratação e, por consequência, nos resultados esperados pelo dono da loja. “Fica mais fácil avaliar uma pessoa durante
uma entrevista”, diz. Alecrim acredita que no varejo é cada vez mais importante pensar nas habilidades
da pessoa para desempenhar uma função. “A técnica é mais fácil treinar, mas o que ninguém consegue treinar são aspectos que vêm de casa, a bagagem de cultura e valores da pessoa.”

Planejar é essencial

Na opinião do consultor Eduardo Terra, coordenador do Provar (www.provar.org), as mudanças nos hábitos de consumo, a maturidade do novo cliente e o acirramento da concorrência estão obrigando as empresas do varejo a serem cada vez mais eficientes. Com isso, partem para a busca de soluções
com base no atendimento, na produtividade e na retenção dos talentos. “E o cuidado na contratação é uma das alternativas que gera resultados positivos, já que uma seleção bem feita traz benefícios à empresa e evita problemas”, afirma Terra, em recente artigo.

Para o consultor, o “mapa da mina” da contratação no varejo passa pelo planejamento do processo de contratação, pela definição do perfil dos cargos a serem ocupados, com suas respectivas competências, pelo recrutamento, focado em atrair candidatos potencialmente qualificados, e pela seleção, onde é feito um comparativo entre o perfil que se procura e o perfil dos interessados na vaga.
“Com estas quatro etapas, o processo de contratação de pessoas no varejo, quando bem-feito, garante profissionais com o perfil adequado”, diz Terra. “E esses profissionais vão trazer os resultados esperados e assegurar a implementação das estratégias da empresa.”

Já Regina Witteveen, consultora da RW Desenvolvimento e Treinamento (www.rwdesenvolvimento.com.br), sugere avaliar o mercado antes de focar nos critérios para contratação. Para ela, a entrada de novas marcas nacionais e internacionais originou um novo comportamento do consumidor, que busca experiências de compra. Paralelamente, a concorrência chegou para ser avaliada de forma muito mais construtiva. “Todo este processo de mudança tem despertado nos lojistas e gestores a necessidade de planejar e definir com maior critério suas contratações e a formação do quadro das equipes”, diz Regina, afirmando que já foi o tempo em que ter uma boa apresentação, simpatia e disponibilidade garantiam a contratação. “Atualmente, fugimos de atendimentos robóticos e impessoais. Deve-se priorizar o desenvolvimento profissional e não apenas a contratação de mais um atendente ou vendedor”, explica.

Diante deste cenário, Regina Witteveen cita conhecimento, gostar do que faz, competências e habilidades e foco nos resultados como os critérios que fazem a diferença no momento da contratação
no varejo. Também é importante avaliar o grau de afinidade do candidato com o produto que vai vender, além de informações como escolaridade, cursos extracurriculares, idiomas, comunicação interpessoal, entre outros. “Quando sua atuação envolve prestação de serviços acredito que cada profissional, independente da área específica, tem no conhecimento e na responsabilidade pela informação um grande diferencial profissional perante seus clientes internos e externos”.

Foco na qualidade

Os consultores concordam que não há diferenças entre o processo de seleção de um funcionário temporário e o de um funcionário efetivo. “Minha sugestão é que todo processo seletivo seja realizado sempre com os mesmos critérios e com foco na qualidade”, diz Regina Witteveen. Para Fred Alecrim, seja para temporário, seja para efetivo, o processo de seleção ajuda a fazer uma peneira, mas o “filtro” de contratação deve ser cada mais fino. “As empresas devem ser cada vez mais rigorosas”, explica
Alecrim. “De nada adianta marca, produtos e ambiente maravilhosos se quem for o maior embaixador da loja junto ao cliente não fizer sua parte na conquista e na geração de reputação do negócio.”

Num período como o Natal, para dar conta da rotina agitada, o varejo não abre vagas apenas para vendedores. Outras funções entram no “pacote natalino”, mas é a contratação de um novo vendedor que merece uma atenção especial de lojistas e gerentes. Neste processo, o consultor Marcelo Ortega (www.marceloortega.com.br) afirma que o ponto alto de uma entrevista para seleção de vendedores
é conhecer mais o lado pessoal de cada candidato. “Gosto de relacionar vida e vendas porque temos
que lidar com pressão, ter objetivos, saber planejar, ter capacidades de relacionamento, comunicação, superação”, diz em artigo sobre o tema. “Quando um candidato a vendedor hesita em dizer seus planos para o futuro, denota que o mesmo terá dificuldades em ser um realizador, uma pessoa de ação.”

Do contrário, na opinião de Ortega, se durante a entrevista o candidato mostrar com convicção que
sabe onde quer chegar, que tem um plano definido, com objetivos traçados, é sinal de que ele tem para vestir a camisa da empresa. “Gosto de pessoas que enxergam sua linha do tempo e veem aquilo que pode ou não ser feito, ao invés de fazer uso do jargão ‘deixa a vida me levar’, que apesar de ficar bonito em música, não serve para vendedores.”

Avaliação transparente

Na etapa de seleção dos funcionários, é possível detectar aqueles temporários que têm potencial para seguir na empresa. Muitos temporários encaram o processo de seleção com este objetivo: abrir uma porta, de olho na possibilidade de ser efetivado e até fazer carreira. Outros, porém, caso de muitos jovens, por exemplo, “topam” um emprego temporário no varejo para ganhar um dinheiro extra, sem interesse em continuar na empresa.

A consultora Regina Witteveen diz que a possibilidade de efetivação pode ser usada até como argumento durante o processo seletivo. “O fundamental é estabelecer alianças muito claras de quais pontos serão avaliados com total transparência para todos.” Fernando Lucena afirma que a possibilidade de aproveitamento deve ser uma atenção a mais na contratação, mas com certeza somente na prática de loja vai se verificar a opção de aproveitar o colaborador temporário.

Na avaliação do consultor Fred Alecrim, alguns lojistas só contratam quando precisam e isso acaba gerando uma pressão muito grande para preencher aquela vaga que está aberta. “Se não encontrou
nas entrevistas aquela pessoa ‘uau’, acaba contratando o menos ruim”, diz. O consultor é da opinião que é melhor ter menos gente trabalhando, mas competente e bem remunerada, do que ter um “amontoado” de gente na loja. Tanto Fred Alecrim quanto Regina Witteveen destacam que o processo
de seleção de temporários é uma oportunidade do lojista formar um banco de talentos. Ou seja, mesmo sem contratar alguém de imediato, é importante para o lojista manter uma rotina de contatos que podem vir a se tornar uma boa alternativa para quando houver necessidade de contratar alguém – temporário ou não.

Sem desconforto

Quem trabalha no varejo sabe que nem todos os temporários acabam sendo efetivados passado o Natal. A efetivação depende de uma série de circunstâncias externas e internas, mas também do poder do lojista ou do gerente de identificar qualidades no temporário que podem determinar sua permanência no quadro da empresa. Fred Alecrim sugere que a efetivação de um temporário passa
pela loja ter um bom gerente, acompanhando de perto o trabalho dele, dando feedbacks e conferindo como ele os recebe. “Alguns fatores determinam a efetivação. Porém, resumidamente, se destacam os profissionais que estiverem comprometidos, que demonstrem satisfação pelo que fazem com atitudes proativas, focados nos objetivos e resultados não apenas próprios, mas com visão do todo (equipe, clientes e empresa)”,explica Regina Witteveen.

Uma questão que merece atenção por parte do lojista é cuidar para que a chegada de temporários não cause algum tipo de desconforto na equipe efetiva. Até porque, em muitos casos, temporários com bom desempenho se tornam fortes candidatos para tomar o lugar de efetivos que não atingem as metas ou não demonstram mais o mesmo empenho de outrora. “Se a chegada de temporários for bem encaminhada pela direção da loja, não haverá desconforto”, diz Fernando Lucena, do Grupo Friedman. “É fato que será preciso mais gente na loja e, ao mesmo tempo, com ajuda todos poderão produzir mais.”

Regina Witteveen afirma que uma gestão transparente é um fator determinante, caso contrário a equipe e também o colaborador temporário poderão ter comportamentos nada produtivos, podendo gerar conflitos, divisão da equipe, refletindo diretamente na qualidade do trabalho de todos. Ela destaca o
papel do gerente. “Como líder, antes de realizar o processo seletivo, o gerente deverá saber como e de que forma envolver sua equipe neste novo momento e necessidade”, diz. Para a consultora, a conscientização é uma grande ferramenta e juntos, gerente e equipe, poderão avaliar e esclarecer
as reais necessidade da contratação de temporários.

Comunicação e transparência também são as dicas do consultor Fred Alecrim para evitar qualquer tipo de conflito. Ele afirma que o efetivo pode sim se sentir ameaçado com a chegada de temporários, mas é preciso que a loja deixe claro por que precisa contratá-los e qual a importância deles na busca pelos resultados que se pretende alcançar, além de apontar também quais as reais possibilidades de permanência. “Tem que haver um pacto de todos em prol da loja”, afirma Alecrim, que lembra também
da importância em saber escolher muito bem quais funções o temporário vai desempenhar até para evitar qualquer tipo de rusga. “O temporário, colocado como vendedor, pode atrapalhar as vendas se não for bem orientado porque poderá ficar dependendo sempre da ajuda de um vendedor mais experiente”, diz. “Uma sugestão é colocar o temporário como assistente de vendas, dando suporte para o trabalho dos vendedores mais experientes.”

Para finalizar, a consultora Regina Witteveen ressalta a responsabilidade do lojista ou do departamento de RH na contratação de um novo funcionário. “Devemos estar atentos a estas pessoas com maior respeito desde o processo seletivo”, diz. “O comprometimento vai muito além da avaliação do candidato. Existe a oportunidade de orientá-los através de uma devolutiva (feedback) construtiva,
e este é sem dúvida o papel especial de quem contrata”, conclui.

Para levar em conta na hora de contratar

Harry J. Friedman, fundador e presidente do Grupo Friedman, uma das mais conhecidas consultorias do varejo mundial, ao ajudar um amigo dono de uma loja de móveis na Flórida elaborou uma lista de cinco recomendações para encontrar e contratar as pessoas certas.

1) Caso tenha muitos candidatos, agende entrevistas em grupo, duas ou três vezes por semana. Esqueça o que os candidatos escrevem. Olhe para as pessoas, converse com o grupo e convide aqueles que você gostou para ficarem após o fim da entrevista coletiva para um contato individual. Não faça a conexão entre o currículo e a pessoa até depois da entrevista em grupo. Faça uma revisão do currículo antes da segunda entrevista.

2) Lembre-se de que o perfil da pessoa que você contratar está diretamente ligado ao programa de treinamento que você aplica. Quanto melhor o treinamento, menor a necessidade de pessoas “qualificadas”.

3) Faça um acordo e deixe claro aos que estão em experiência que, se não corresponderem às suas expectativas, o “show” vai terminar.

4) Coloque junto a cada um dos novos contratados um vendedor com alto desempenho, para ser seu mentor. Pague ao novo vendedor um salário de treinamento e dê ao mentor um bônus sobre as vendas do novato.

5) Nunca pare de recrutar. Faça disso uma prioridade. Se você não perder as pessoas, você não tem de achar outras. A rotatividade de funcionários é saudável para um negócio desde que seja razoável.
Se for muito alta, custa caro, e é um indício de problemas de infraestrutura. Se for muito baixa, é um indício de que você não está cobrando muito de sua equipe.

O que buscar no candidato ao emprego

Conhecimento: É tudo aquilo que uma pessoa consegue absorver e registrar na memória diante das experiências pessoal e profissional. Exemplo: informações sobre produtos, noções do mercado e conhecimentos gerais e específicos da matemática, idiomas, etc.

Habilidade: São as aptidões que as pessoas têm para realizar bem as tarefas, sem grandes dificuldades, como negociar, vender, trabalhar em equipe, planejar e se comunicar.

Atitude: É tudo aquilo que as pessoas são. Iniciativa, ética, honestidade, garra e vontade de aprender são alguns exemplos.

Fonte: Eduardo Terra (Provar)

.com/group/associadoscdl?hl=pt-BR.

Palestra Web NOVO REFIS Lei nº11.941/09

16/03/2011 às 14:10 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

email.php?newsletter=12640&lote=0&cadastro=5717392&email=atendimento@ljcontabilidade.com.br

Se não estiver conseguindo visualizar a mensagem corretamente acesse este link

8781.jpg
Prezado(a) Associado(a),

Foi publicada no Diário Oficial da União do dia 04 de fevereiro de 2011 a Portaria conjunta nº 2/11 da Procuradoria-Geral da Fazenda e da Receita Federal do Brasil que regulamenta a consolidação dos débitos do NOVO REFIS, previstos na Lei nº 11.941/09.

Diante disso o SESCON, em conjunto com a FENACON, através da UNIFENACON realizou no dia , 15 de março de 2011, das 14:00 às 18:00 horas, uma palestra que abordou todos os aspectos da referida portaria. A palestraestá disponível via WEB, e o sinal poderá ser captado em qualquer equipamento,computador, lincado à internet até o dia 21 de março.

Palestrante Dr. Osmar Augusto leite
Advogado, consultor tributário, pós-graduado em Direito Tributário pelo Centro de Extensão Universitária – CEU de São Paulo, professor de Direito Tributário, editor das Revistas Eletrônicas www.refisdacrise.com.br e www.tributomunicipal.com.br, ex Conselheiro no Conselho Municipal de Contribuintes de Bauru-SP, autor dos livros “ISS sobre o leasing”, “ISS na construção civil”, “ISS sobre cartórios”, “ITBI” e “Supersimples: anotado e comparado”, autor de diversos artigos publicados em revistas especializadas, colaborador da Revista Eletrônica Tributario.Net.

INSCRIÇÕES

Para acompanhar a palestra basta acessar nosso site comercial solicitando o link de acesso.

Importante lembrar que este link do curso ficará no disponível no ar até o dia 21 de março.

Valor do link para associado: R$ 50,00
Valor do link para não associado: R$ 90,00

Mais informações com Rozilda no 48 3222.1409 ou pelo email comercial.

SESCON Grande Florianópolis

Juntos podemos muito mais!

8787.jpg

=

Sescon Informa: Programa ProAnalir Gratuito _ Já está disponível!

16/03/2011 às 12:57 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
8781.jpg

Quer MAIS FACILIDADEna hora de

declarar o Imposto de Renda?

O Sescon em parceria com a Fenacon tem a solução para as empresas filiadas que pagam em dia a Contribuição Sindical.

Pague em dia a Contribuição Sindical, e tenha acesso GRATUITAMENTE, a versão do programa ProAnalir 2011.

Confira:

·Verificação de erros;

·Verificação contradições financeiras;

·Elaboração de relatórios adicionais tais como: origens e aplicações de recursos.

A liberação gratuita da versão do programa será feita mediante comprovação do pagamento da contribuição sindical por parte das empresas filiadas.

Ø Solicite o seu acesso ao programa aqui.

Mais informações : (48) 3222.1409

8776.jpg

Mensagem enviada por SESCON (eventos@sesconfloripa.org.br) para atendimento@ljcontabilidade.com.br.
Não desejo receber futuras mensagens.
Encaminhar esta mensagem.
?info=bj0xMjYzNCZjPTU3MTczOTImbG90ZT0w

=

Medo do leão: para evitar erros, contribuintes deixam declaração com profissionais

16/03/2011 às 12:36 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Patricia Alves

A temporada de entrega da declaração anual do IRPF 2011 começou no dia 1º de março e vai até 29 de abril. Apesar de ser uma obrigação anual do contribuinte, muitas vezes a falta de familiaridade com o assunto e com os programas que a Receita disponibiliza para o envio do documento faz com que algumas pessoas optem por contratar um profissional para fazer a prestação de contas ao Fisco.

Segundo especialistas, a complexidade da declaração pode levar o contribuinte ao erro e, consequentemente, deixá-lo suscetível a cair na malha fina.

No entanto, quem tiver a intenção de deixar a entrega da declaração nas mãos de uma outra pessoa, deve ficar atento a alguns detalhes, como preço, contratação do profissional e tempo disponível.

Preço varia de acordo com a declaração

Não existe uma tabela de preços para este tipo de prestação de serviços, mas os valores cobrados variam conforme a complexidade da declaração.

No entanto, fica um alerta: não avalie o profissional apenas de acordo com o preço cobrado. A principal dica na hora de contratar é pedir recomendação. Consultar amigos, parentes e conhecidos pode fazer a diferença, já que terá que disponibilizar documentos e informações bem pessoais sobre seu patrimônio e o de sua família.

Evite correria

Além disso, é importante não deixar para a última hora para entregar os documentos ao profissional contratado. Com mais tempo, é possível ter mais cuidado na hora do preenchimento e, na falta de algum comprovante, é possível ir atrás da informação.

Quais documentos separar? Confira a lista:

* Informes de rendimento das fontes pagadoras;

* Comprovantes de despesas;

* Relação de dependentes e respectivos informes de rendimento, se houver;

* Movimentação patrimonial (compra ou venda de veículo, por exemplo).

Mesmo que o contribuinte esteja acostumado a fazer a declaração pelo modelo simplificado, que não usa as deduções permitidas por lei, é melhor que todos os comprovantes estejam separados, já que o sistema é o mesmo para os dois modelos e existe a possibilidade de testar qual é o melhor a usar naquele ano, com o objetivo de diminuir o imposto devido ou até aumentar o valor a restituir.

Fonte: Infomoney

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: