Você sabe declarar o seu imposto de renda?

29/04/2011 às 0:01 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

28 April, 2011 20:33

28/04/2011 às 20:33 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Perto dos clientes

28/04/2011 às 13:16 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Dados do 40º Ranking de Supermercados aponta que pontos de vendas de vizinhança voltaram a crescer e se consolidam no mercado

por Supermercado Moderno

No ano passado, as lojas com 5 a 19 checkouts voltaram a crescer. Elas elevaram substancialmente suas vendas em termos reais e superaram o aumento médio do setor, que ficou em 7,1%. Os dados são do 40º Ranking de Supermercados, pesquisa anual sobre o varejo alimentar realizada por Supermercado Moderno.

Os supermercados que operam com 5 a 9 caixas registraram aumento de 13,8% no faturamento, já descontada a inflação média de 5,04% do período, conforme dados do IBGE. Já a faixa de lojas com 10 a 19 checkouts apresentou alta real de 11,3%. Em contrapartida, o levantamento de SM confirma que os hipermercados com mais de 50 checkouts caíram em 11,8% em termos reais.

As lojas de vizinhança não param de engordar sua fatia de mercado desde que o País se livrou da inflação galopante dos anos 80 e início da década de 90. Com a estabilização, acabou a necessidade de realizar grandes compras de uma só vez para que o dinheiro não perdesse valor. “Dessa forma, o consumidor começou a perceber que pode comprar sem precisar se deslocar muito”, afirma Francisco Rojo, consultor de varejo especializado em pesquisas. “E os supermercados passaram a inaugurar mais lojas encravadas nos bairros, bem perto da casa dos clientes”, completa.

Segundo Timothy Altaffer, professor do Insper, as lojas de vizinhança apresentam outra vantagem. “Elas são ágeis para adaptar atendimento e mix às preferências do público”, completa. O especialista lembra ainda que, atualmente, todas as principais redes operam esse formato.

Já os hipermercados, além de perderem participação, também passam por um período de redução da área de vendas. Em 2010, a metragem quadrada das lojas com mais de 50 checkouts diminuiu 10,3%. Para Rojo, dois fatores influenciam esse índice. O primeiro é a escassez de grandes imóveis – e quando eles existem, são caríssimos. Outro ponto é a já comentada necessidade de estar perto dos consumidores, condição que reduz ainda mais as chances de encontrar grandes terrenos disponíveis. “Para ocupar espaço, as redes passaram a optar por trazer a loja para os bairros, o que força a diminuição da área de vendas”, afirma.

.

Empresa do lucro real não paga multa

25/04/2011 às 17:30 | Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

Empresa do lucro real não paga multa

Tributário: Carf entende que recolhimentos mensais de IR e CSLL são apenas estimativas

Adriana Aguiar | De São Paulo

A 1ª Seção do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) decidiu que as empresas que optaram pelo regime do lucro real por estimativa não devem pagar multa de mora por atraso no recolhimento mensal de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Esse é considerado por advogados o "leading case" sobre o tema.

A empresa sofreu uma autuação fiscal de aproximadamente R$ 9 mil em 2006. A fiscalização alegou que houve atraso no recolhimento mensal da CSLL e do Imposto de Renda em 2000. A multa foi de 20% sobre o valor devido de multa de mora. Porém, a defesa da companhia, realizada pelo advogado Luciano Ogawa, do Mussi, Sandri & Pimenta Advogados, argumentou no processo administrativo que não houve atraso no recolhimento do tributo para que houvesse a imposição de multa. Isso porque, segundo ele, a empresa apenas faz antecipações mensais do que estima recolher no período de apuração, e somente no dia 31 de dezembro faz o acerto de contas entre o que foi pago e o que realmente seria devido. "A incidência de multa só pode ocorrer com o atraso do tributo, o que não foi o caso", alega Ogawa.

Ao analisar a argumentação, a maioria dos conselheiros que compõe a seção seguiu o voto do conselheiro Luciano Inocêncio dos Santos. Ele entendeu que as antecipações no recolhimento do tributo realizadas durante o ano-calendário, "são apenas valores estimados, provisórios, sem caráter definitivo, cuja notória precariedade perdura até o final do correspondente período de apuração". Segundo o conselheiro, somente no último dia do ano é "que efetivamente ocorre o fato gerador do IRPJ e da CSLL, em se tratando de apuração anual, tornando a dívida destes tributos líquida e certa".

A decisão, segundo o advogado da empresa, Luciano Ogawa, pode servir de precedente para diversos casos que envolvem grandes companhias. Ele afirma que algumas empresas atrasam esses pagamentos mensais ou suspendem recolhimentos ao avaliar que estão pagando mais do que deviam. Isso porque a companhia terá que pedir a restituição do que for recolhido a maior durante o ano, e pode demorar anos para receber.

De acordo com Ogawa, o entendimento do conselho também deve embasar a discussão das empresas que entram com esses pedidos de restituição, uma vez que o Fisco tem descontado juros e multas de mora do montante recolhido a maior, relativos a supostos atrasos nos recolhimentos mensais desses tributos. "Essa decisão é uma grande vitória. Não há base legal para a cobrança da multa de mora nessas situações", argumenta.

O advogado Luiz Paulo Romano, do Pinheiro Neto Advogados, também concorda com a recente decisão do conselho. "É um absurdo cobrar multa do contribuinte se ainda não houve a apuração do imposto total a pagar", diz. Segundo ele, muitas empresas vêm sendo autuadas pelo Fisco ao suspender os pagamentos mensais. "A tendência do conselho é anular essas multas em geral quando tem tributo a menor e não há imposto a pagar no fim do ano."

Esse mesmo raciocínio utilizado nessa recente decisão do Carf para afastar a multa de mora também pode ser aplicado aos juros de mora, segundo o advogado Leonardo Luiz Thomaz da Rocha, do Fadel e Giordano Advogados. Isso porque a legislação é clara ao prever que a incidência desses juros só podem ocorrer sobre os fatos geradores, ou seja, sobre o tributo, apurado apenas no dia 31 de dezembro para as empresas que adotam o sistema de estimativa. "Não há base legal para aplicação tanto da multa de mora de 20% quanto dos juros de mora, calculados pela taxa Selic".

Procurada pelo Valor, a assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) informou que o órgão prefere não se manifestar sobre o assunto.

Liminar suspende cobrança

Uma liminar da 1ª Vara Federal de Petrópolis (RJ) suspendeu a cobrança efetuada pelo Fisco de valores que deixaram de ser recolhidos nos meses de maio e junho de 2006 de Imposto de Renda (IR) e CSLL por uma grande companhia que adotou o regime de estimativa. O valor aproximado era de quase R$ 1 milhão.

A tese da empresa, que foi acolhida pelo Judiciário, é que com o encerramento do ano de 2006, o Fisco não poderia cobrar valores que tinham que ser pagos nas estimativas mensais e sim, diferenças, se houver, sobre o tributo consolidado no dia 31 de dezembro do mesmo ano. Segundo o advogado da companhia, Leonardo Luiz Thomaz da Rocha, do Fadel e Giordano Advogados, a empresa deixou de recolher naqueles meses porque pediu para utilizar créditos do PIS e da Cofins no pagamento do débito relativo ao Imposto de Renda e CSLL. No entanto, o pedido foi indeferido pela Receita Federal. "Com o encerramento do ano, porém, as estimativas perdem a eficácia, já que existe o cálculo real do tributo devido". Nesse caso, segundo o advogado, o Fisco só poderia cobrar se houvesse dívida do tributo consolidado.

Ao conceder a antecipação de tutela – espécie de liminar- e suspender a cobrança, o juiz federal Marcelo Bretas entendeu que haveriam os requisitos necessários para aceitar o pedido. Ele também citou um precedente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região. Segundo julgado de fevereiro da 1ª Turma, os desembargadores entenderam que o fato de a empresa não ter recolhido o IR e a CSLL por estimativa "não respalda a exigência dos tributos apurados por essa base, uma vez que a verdadeira base de cálculo é o lucro real e não o estimado".

Procurada pelo Valor, a assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) informou que o órgão prefere não se manifestar neste momento. (AA)

Fonte: Valor Econômico

=

Simples Nacional deve ser alterado até maio

25/04/2011 às 13:03 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A meta da frente é fazer com que os novos limites entrem em vigor ainda este ano.

Abnor Gondim

Com mais de 250 congressistas, a Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa aposta todas as fichas para emplacar até maio o Projeto de Lei Complementar 591/10, que prevê novos avanços na legislação das empresas de menor porte, aprovada em 2006. Entre as novidades está a criação de comitês gestores nacionais para executar dispositivos ainda não regulamentados na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e extensão da faixa exclusiva do segmento, nas compras governamentais até R$ 80 mil, para empresas de economia mista e para o Sistema S: Sebrae, Sesi, Senai, Senat, e Senar, entre outros.

O foco central da proposta altera o Simples Nacional, sistema simplificado de impostos conhecido por SuperSimples, e corrige os valores de enquadramento. Para a microempresa, o faturamento-limite passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil por ano, e empresa de pequeno porte, de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões por ano.

A meta da frente é fazer com que os novos limites entrem em vigor ainda este ano. "A maior resistência é dos governos estaduais, que não querem perder arrecadação de ICMS [Imposto sobre Circulação
de Mercadorias e Serviços]", alega o coordenador da Frente, deputado federal Pepe Vargas (PT-RS). Em contrapartida, segundo Vargas, o governo federal já concordou com a ampliação dos limites do SuperSimples.

Confira na íntegra a entrevista exclusiva do deputado ao DCI.

O projeto 591/10 será aprovado neste semestre?

Nossa intenção é votar até maio. Como não foi votado ano passado, o PL foi arquivado, e agora continua tramitando no mesmo ponto com requerimento de urgência. O que colocamos no projeto de lei é consenso. O que não, é porque está em negociação agora. O projeto já foi aprovado nas Comissões da Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e do Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio e atualmente está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na Comissão de Finanças e Tributação (CFT). Os coordenadores estaduais da Frente são responsáveis por realizar, em seu estado, seminários para debater o projeto com os segmentos interessados na aprovação e estimular as assembleias legislativas a criarem Frentes Parlamentares das Micro e Pequenas Empresas.

Quais são as pastas que concordam com o aumento do enquadramento no SuperSimples?

O Ministério da Fazenda. Só querem discutir melhor a "calibragem" desse reajuste nas várias faixas de faturamento com alíquotas diferentes do Super Simples. O gerente de Políticas Públicas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Bruno Quick, afirmou que no ano passado quatro mil pequenas empresas foram excluídas do Simples porque sua receita era maior do que o teto permitido. Por isso, defendeu um parcelamento especial para 560 mil empresas que estão com dívidas tributárias atrasadas. Sugeriu que seja mantido no projeto o dispositivo que permite a adesão ao SuperSimples do pequeno produtor rural e do trabalhador avulso. De acordo com ele, mais de 90% do setor estão na informalidade. Ele disse que atualmente existe uma grande dificuldade de formalizar essas relações, o que é ruim para os trabalhadores e para os produtores rurais.

E em relação à ampliação do SuperSimples para todos os setores de serviços?

O governo levanta preocupações com algumas profissões liberais, e a nossa justificativa é a folha de pagamentos. Tem um dispositivo que garante vantagem apenas para empresas que têm um certo número de funcionários. Mas vamos conseguir alguma coisa. Outra coisa muito importante é o incentivo à exportação para a micro e pequena empresa. Estamos sugerindo que o incentivo seja destinado a empresas com faturamento até o dobro do limite de enquadramento. E o que é faturado na exportação não seria computado para fins de enquadramento. A princípio eles concordam com isso também. Agora o nosso problema é que não veio à reunião ninguém do Confaz [Conselho Nacional de
Política Fazendária], órgão que reúne secretários estaduais da Fazenda. Já tivemos reuniões com representantes do comitê gestor do Simples Nacional, mas o pessoal dos estados não compareceu. Muitos receiam perda de receita com a eliminação da substituição tributária.

O deputado Luis Carlos Haully (PSDB-PR), hoje secretário estadual da Fazenda, que já foi da Frente Parlamentar, é favorável à substituição tributária.

Ele é companheiro nosso. A maior resistência é dos governos estaduais, que não querem perder arrecadação de ICMS. O governo federal já concordou com a ampliação dos limites do SuperSimples. A substituição tributária não é um mecanismo justo porque elimina as vantagens do SuperSimples em relação ao ICMS.

O que fazer?

A Frente vai defender a adoção pelos estados do modelo de substituição tributária usado pelo governo federal. O objetivo é reduzir o impacto desse mecanismo na carga tributária das micro e pequenas empresas. Os governos estaduais estão praticando a substituição tributária de maneira generalizada. Por esse mecanismo, um dos contribuintes da cadeia produtiva de um produto é escolhido para pagar o imposto total pelos demais. No modelo usado pela Receita Federal, apenas setores de alta concentração das atividades econômicas – como automóveis, bebidas e cigarros – são submetidos à substituição tributária.

Atualmente, o valor pago na substituição tributária já é maior do que o pago ao Simples. Então, o esforço todo feito para reduzir a carga tributária para a micro e pequena empresa acaba se esvaindo por conta de os estados terem adotado o mecanismo de substituição tributária.

O que o senhor achou do projeto de lei de criação da Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa? Quem deve ser o novo ministro da pasta?

A presidente Dilma é que vai opinar sobre isso, é uma prerrogativa dela nomear. A criação da secretaria é apoiada pela Frente. É muito importante um órgão com status de ministério que coordene todas as ações de governo em benefício da micro e pequena empresa. Já apresentaram um requerimento solicitando urgência para a votação do projeto de lei que cria a secretaria.

Qual o papel do Sebrae com a criação do ministério?

O Sebrae continua mantendo todas as ações. Ele tem de continuar sendo uma entidade de apoio à micro e pequena empresa da mesma forma como é hoje, não muda absolutamente nada no Sebrae. Eu diria que o Sebrae passará a ter um grande parceiro dentro do governo. O projeto de lei não subordina, não coloca o Sebrae vinculado.

Isso é bom para o Sebrae? Isso é bom para o empresariado?

Olha, eu acho que sim.

Existem várias pendências ainda da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas que não foram regulamentadas. Teria alguma como prioridade para o novo ministério?

Antes da Lei Geral a participação das micro e pequenas empresas nas compras do Governo Federal era pequena. Do ano passado pra cá, já está chegando a quase R$ 12 bi.

Há um grande número de municípios, mais de dois mil, que ainda não regulamentaram a Lei Geral?

Sim. Mas vamos pelo lado positivo. Quase três mil já regulamentaram essa legislação. Cada vez mais prefeitos e governadores estão aderindo à Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas. O Rio Grande do Sul, que faltava, já providenciou. Falta o Distrito Federal. Mas não basta apenas regulamentar a Lei Geral. É preciso aplicá-la. Essa é uma questão muito importante. Estamos propondo a criação de cinco comitês gestores nacionais: compras governamentais, inovação, informática, capacitação e crédito.

Isso vai servir para o Legislativo e para o Judiciário?

Eles são poder público. A nossa proposta estende a faixa exclusiva das compras governamentais para as pequenas empresas, até R$ 80 mil, também para o Sistema S e para as empresas de economia mista (público e privado).

Outras prioridades?

A Frente Parlamentar apontou a necessidade de agilizar o processo de votação da Medida Provisória 529, que diminui de 11% para 5% a contribuição previdenciária do Empreendedor Individual.

Fonte: DCI

25 de abril – Dia do Contabilista

25/04/2011 às 12:41 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

cabecalho 65 anos.jpg
anuncio dia do contabilista 2011 ok.jpg

Mercado promissor

12/04/2011 às 21:14 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Confira se a sua empresa está preparada para se tornar uma microfranquia, segmento que deve crecer 20% em 2011

por Da Redação

Trabalhar para si mesmo, ter seu próprio negócio, planejar seu próprio horário de trabalho, esses são apenas alguns dos muitos benefícios que assalariados brasileiros – com perfil empreendedor – estão prospectando para suas vidas profissionais. É com o intuito de atingir este público que muitos empresários estão formatando suas marcas para se tornarem microfranquias. Mas as empresas estão formatadas para entrar neste promissor mercado?

Dados da Associação Brasileira do Franchising (ABF) revelam que o Brasil possui aproximadamente 2.500 franqueados deste segmento, e que existem no país pouco mais de 50 marcas. A previsão de crescimento do setor para 2011 deve chegar a 20%.

Para Batista Gigliotti, presidente da Fran Systems, consultoria em desenvolvimento de negócios e de franquias, “este mercado é promissor, já que os investimentos para o empreendedor entrar neste segmento chegam, no máximo, a R$ 50 mil. As microfranquias têm despertado o interesse, inclusive, da Classe C, que enxerga neste nicho uma alternativa válida – e próspera – para se tornarem empreendedores e ter seu próprio negócio”.

Com a tendência de forte crescimento das microfranquias, algumas empresas, que, até o momento ainda não pertencem ao segmento do franchising, estão formatando seus negócios, adaptando-se para atender a este novo empreendedor: que quer algo pequeno, mas com uma marca e know-how estruturados. Batista acredita que “para as empresas de pequeno e médio porte é uma grande oportunidade prepararem suas empresas para entrar neste mercado, e, assim, de expandirem suas marcas com rapidez e amplitude. E é bom aproveitar o momento, já que a demanda pela aquisição de uma microfranquia por enquanto terá poucas opções de investimentos, pois existem no Brasil pouco mais de 50 marcas atuando neste nicho de mercado”.

Cautela na hora de formatar seu negócio

As microfranquias, que foram criadas em 2007, na maioria das vezes, funcionam no modelo de home-based (baseadas em casa). Sem a necessidade de ter um ponto comercial – em alguns casos, o principal empecilho na hora de abrir uma empresa -, as microfranquias vêm conquistando muito espaço no setor do franchising, devido à rapidez de tornar em realidade o sonho de ser empreendedor.

Entretanto, para os empresários que desejam migrar seus negócios para este segmento, colocando suas empresas em evidência e transformando-as em microfranquias, orientação profissional e cautela são necessárias antes de qualquer mudança significativa. “Além disso, para entrar no mundo do franchising é essencial saber o que oferecer ao consumidor final e se o seu produto ou serviço possui um diferencial. Tornar este negócio possível nas mãos de terceiros é um desafio, tanto do franqueado, que terá que provar seu conhecimento empreendedor, quanto da empresa, que deve planejar sua entrada e sua formatação neste setor”, conclui Batista.

Boletim Especial Dia do Contabilista 1

12/04/2011 às 1:09 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Brasília – DF, 6 de abril de 2011
A partir desta semana, estaremos enviando boletins especiais sobre o Dia do Contabilista que será comemorado em todo o País, no próximo dia 25 de abril. Até lá, apresentaremos para os nossos leitores curiosidades sobre a profissão que já é considerada uma das mais bem sucedidas do mundo. Boa leitura!

A profissão contábil, devido ao desenvolvimento da economia e das atividades empresariais, tem ganhado destaque no cenário brasileiro. Hoje são quase 500 mil profissionais e 72 mil Organizações Contábeis em atividade no país. A evolução da profissão acontece em ritmo acelerado, aumentando sua credibilidade e tornando-se uma bússola para a navegação empresarial.

Você sabia?
A história da contabilidade é tão remota quanto a da civilização. No Período Antigo, já existia a contabilidade empírica, em que o Homem registrava seus patrimônios na memória. Quando ele deixa de ser nômade e resolve dedicar-se ao cultivo e pecuária, surge a necessidade de organização econômica em parceria ao senso de propriedade. Desse anseio por riqueza individual e preocupação quanto a rendimentos, os registros do comércio eram feitos em tábuas de argila, depois substituídos pelo papiro, um dos mais antigos antepassados do papel.

Com o Período Moderno a contabilidade era vital para o controle das inúmeras riquezas que o Novo Mundo

representava. Com a obra de Frei Luca Pacioli, em 1494, a contabilidade foi inserida nos ramos do conhecimento humano abrindo precedente para que novas obras fossem escritas. Para Francesco Villa, já no Período Científico, precursor do uso da Contabilidade como fonte de informação gerencial, a ciência contábil implicava em conhecer a natureza e as práticas que regem o patrimônio. Foi somente em 1923 que Vicenzo Mazi definiu o “patrimônio” como o objeto da Contabilidade. A partir de 1920, a criação de grandes empresas e multinacionais constituíam o Estados Unidos da América como campo fértil para o avanço das teorias e práticas da profissão. É por esse motivo que, atualmente, existem inúmeras obras de autoria norte-americana.

No Brasil, com a vinda da Família Real, a atividade colonial exigiu um melhor aparato fiscal. Mas foi somente em 1870 que aconteceu a regulamentação da profissão contábil, com o decreto imperial nº 4475, que restringia o exercício da profissão a pessoas que tivessem conhecimento das línguas francesa e portuguesa, além de boa caligrafia e datilografia. O grande passo, entretanto, acontece em 1927, quando é fundado o Conselho Perpétuo que viria a ser, no século atual, o Sistema CFC/CRCs.

Hoje, no entanto, muitas transformações ocorreram. Os registros da profissão contábil apontam que a média de idade dos atuais conselheiros dos Plenários e Conselhos diretores do Sistema CFC/CRCs diminuiu, o que significa que os

contabilistas estão se interessando pelas questões da classe cada vez mais cedo. Além disso, as mulheres estão conquistando espaço em um ambiente que sempre fora predominantemente masculino. Segundo levantamento realizado pelo CFC, elas estão presentes em 25 dos 27 CRCs, ocupam três Vice-presidências do CFC e já representam 39% das profissionais do País.

As novidades não param, no momento em que o país insere-se na tendência mundial à convergência às Normas Internacionais de Contabilidade (International Accounting Standard – IFRS, em inglês), é importante que o profissional contábil esteja atento às novas demandas de mercado. Consciente também da importância da imagem do profissional contábil frente à sociedade que pode ser alcançada por meio de transparência nos serviços e vontade de melhoria.

Nesse sentido o Sistema CFC/CRCs, além de registrar e fiscalizar o exercício profissional, busca por maior aproximação com o Congresso Nacional, onde se espera aprovação de projetos de interesse para a classe contábil e mantêm a preocupação com a formação dos futuros contabilistas, para que estes se transformem em importantes atores de proteção na sociedade.

Servidor: confira o CNPJ da fonte pagadora na declaração do IR

12/04/2011 às 0:10 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Uma mensagem enviada esta semana para a Ouvidoria da SEF levantou a dúvida sobre o número de CNPJ correto para informação da fonte pagadora na Declaração do Imposto de Renda. A mensagem trazia o seguinte relato:

"Gostaria de saber se o CNPJ atual da SEF é o 82.951.229/0001-76 ou o informado no site (82.951.310/0001-56) para fins de Declaração de Imposto de Renda, despesas médicas. Estou tendo problemas com a declaração de IRPF devido ao desencontro de informação a respeito de CNPJ desta Secretaria".

De acordo com Loreni Pissi, Gerente de Administração, Finanças e Contabilidade da Fazenda, deve ser utilizado do CNPJ 82.951.229/0001-76 (CNPJ do Estado de Santa Catarina), conforme está no Comprovante de Rendimentos. "Para as despesas médicas com o Plano SC Saúde deve ser informado o CNPJ 07.574.449/0001-02 – Fundo do Plano de Saúde dos Servidores Públicos Estaduais de Santa Catarina", explica. Estas informações também podem ser obtidas no site http://www.portaldoservidor.sc.gov.br .

Se você tem alguma dúvida sobre procedimentos da SEF, acesse a página "Fale Conosco" do site da Secretaria. Se sua dúvida não for esclarecida pelos canais disponíveis, envie um email paraouvidor

EI: alterada a contribuição previdenciária

11/04/2011 às 12:35 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
EI: alterada a contribuição previdenciária
Tendo em vista a publicação da Medida Provisória nº 529, de 07/04/2011, a contribuição previdenciária do Empreendedor Individual – EI será alterada, a partir da competência Maio/2011, para 5% do salário-mínimo, equivalentes a R$ 27,25.

Com isso, o carnê mensal do MEI terá, em 2011, os seguintes valores:

· Janeiro e Fevereiro/2011: de R$ 59,40 a R$ 65,40;

· Março e Abril de 2011: de R$ 59,95 a R$ 65,95;

· Maio a Dezembro/2011: R$ 27,25 a R$ 33,25.

Os Empreendedores Individuais que já emitiram os carnês com valores diferentes devem aguardar a atualização do aplicativo PGMEI para fazer nova emissão. O sistema já está emitindo as guias para pagamento com os valores corretos até a competência Abril/2011.

Os próximos vencimentos:

· 20/04/2011 vence o prazo para pagamento da competência Março/2011;

· 20/05/2011 vence o prazo para pagamento da competência Abril/2011;

· 20/06/2011 vence o prazo para pagamento da competência Maio/2011 – já com os novos valores da contribuição previdenciária.

Fonte: Comitê Gestor do Simples Nacional

=

COMO PAGAR MENOS IR COM VENDA OU ALUGUEL DE IMÓVEIS (dentro da Lei)

07/04/2011 às 14:25 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Como pagar menos IR com venda ou aluguel de imóveis

Medidas simples, como somar o valor de reformas e benfeitorias ao preço de compra do imóvel, podem garantir uma mordida menor do Leão.

Márcio Juliboni

Em tempos de crise financeira mundial, muitos investidores começam a ver, nos imóveis, uma alternativa de investimento mais segura do que os fundos ou as ações. Outros também precisam enfrentar um mercado em retração para comprar ou vender um imóvel e realizar seu sonho de se mudar para uma casa maior ou conquistar seu primeiro teto próprio.

Em qualquer situação, a carga de impostos incidente sobre transações imobiliárias pode até mesmo inviabilizar um negócio.

No geral, quem vive da renda de aluguéis sofre a incidência da tabela progressiva do Imposto de Renda (até 27,5%).

Já quem vende um imóvel precisa pagar 15% de IR sobre o lucro da operação (preço de venda menos preço de compra).

Mas a própria legislação tributária prevê diversas situações em que é possível reduzir o valor pago nessas operações. O mais importante é se preparar com antecedência. "Quanto mais cedo você fizer seu planejamento tributário, menos imposto poderá pagar", afirma Mário Shingaki, professor de Planejamento Tributário dos cursos de MBA da Fundação Instituto de Administração, e autor do livro Gestão de Impostos, da editora Saint Paul.

Veja, a seguir, as situações em que você pode pagar menos IR em transações imobiliárias – ou, até mesmo, ser isento:

1. Isenção total de IR na venda de imóvel residencial: um imóvel residencial vendido por até R$440.000,00 é isento de IR se for o único imóvel do proprietário e se ele não realizou nenhuma compra ou venda imobiliária nos últimos cinco anos.

2. Isenção total de IR na venda de imóveis comprados até 1969: se você comprou um imóvel residencial até 1969, ao vendê-lo, não terá de pagar IR sobre o lucro da operação. Para se beneficiar da isenção, não é necessário que este seja o único imóvel residencial do vendedor.

3. Isenção parcial de IR na venda de imóveis comprados entre 1970 e 1988: a lei permite descontar um percentual sobre o lucro da transação para calcular a base de incidência do Imposto de Renda (veja a tabela abaixo). Esse benefício também é aplicável por quem possui mais de um imóvel.

Exemplo: um imóvel é comprado em 1979 por um valor equivalente a 100.000 reais. Em 2008, o proprietário resolve vendê-lo por 300.000 reais. O lucro da operação é de 200.000 reais. Sem a isenção parcial, ele pagaria 15% de IR sobre esse lucro, ou 30.000 reais. Mas a lei diz que, para imóveis comprados em 1979, há um desconto de 50% sobre a base de cálculo. Ou seja, ele precisará pagar IR apenas sobre 100.000 reais, reduzindo o valor a recolher para 15.000 reais.

4. Isenção em caso de aplicação de recursos em compra de imóvel: se alguém vendeu um imóvel e aplicar todo o dinheiro na compra de outra residência em até 180 dias, não precisará pagar IR sobre o lucro da venda.

Exemplo: se, ao vender um apartamento por 500.000 reais, o proprietário obteve um lucro de 200.000 reais, não precisará pagar IR sobre o lucro se, dentro de 180 dias, aplicar todos os 500.000 reais da venda na compra de outro imóvel residencial. Cuidado: se apenas parte dos 500.000 for usada na aquisição do segundo imóvel, a Receita cobrará o IR proporcional à quantia que foi aplicada em outra finalidade. Isto é, se apenas metade dos 500.000 for usada no outro imóvel, então metade do lucro de 200.000 sofrerá a incidência dos 15% de IR.

5. Isenção para imóveis de pequeno valor: não é preciso pagar IR sobre o lucro de imóveis vendidos por até 35.000 reais. Em grandes cidades, como São Paulo ou Rio de Janeiro, é um benefício difícil de ser aplicado, mas em municípios menores, pode ajudar. Outra vantagem de se recorrer a ele é quando o proprietário tem mais de um imóvel até este valor para ser vendido. Se ele tiver, por exemplo, dois lotes com valor individual de venda de 35.000 reais, e vendê-los no mesmo mês, terá de pagar o IR sobre o lucro somado das duas operações. Mas, se ele vender um por mês, embora o lucro total das operações continue o mesmo, ele será beneficiado com a isenção de IR.

6. Reduza a base de cálculo do IR: a base de cálculo, isto é, o valor sobre o qual o IR é cobrado, é o lucro nas transações imobiliárias. Esse lucro é calculado pela diferença entre o valor pago na compra e o auferido na venda do bem. Um modo simples de pagar menos imposto quando você vender o imóvel é elevar o seu custo de aquisição. Não há nada de ilegal nisto. Para tanto, basta acrescentar as benfeitorias que você efetuar no bem, como reformas e ampliações. Guarde os comprovantes de despesas – notas fiscais, recibos do pedreiro com nome e CPF, canhotos de cheque também com nome e CPF de quem os recebeu. São suficientes para comprovar as despesas. Se você já fez alguma benfeitoria no imóvel e tem os comprovantes, ainda dá tempo de recorrer ao benefício. Faça uma declaração de IR retificatória, desde o ano em que promoveu a reforma. Nela, adicione ao valor do imóvel as despesas que efetuou. Faça isso sempre que promover melhorias no bem. Mas cuidado. A Receita não aceita qualquer coisa. "Benfeitoria é tudo o que aumenta a vida útil do imóvel, como pintura, troca de telhado ou ampliar um cômodo. Decoração nova não serve", afirma Shingaki.

Exemplo prático: alguém comprou uma casa por 100.000 reais. Um ano depois, gastou 50.000 reais em uma reforma e, na declaração de IR, informou os gastos, elevando o custo de aquisição do imóvel para 150.000 reais. Ao vender o bem, anos depois, por 200.000 reais, obteve um lucro de 50.000 reais – e não de 100.000 reais, se desconsiderasse a reforma. Assim, o IR pago sobre a transação será de 7.500 reais, e não de 15.000 reais.

7. Se você comprou o imóvel, some o custo de corretagem: se você comprou um imóvel por 95.000 reais, e pagou outros 5.000 reais ao corretor que o ajudou, some o custo de corretagem ao valor do imóvel. É outro modo de elevar o custo de aquisição e reduzir, posteriormente, o lucro sobre o qual vai incidir o IR na hora em que você vendê-lo. Se o imóvel for vendido, por exemplo, por 200.000 reais, você poderá pagar 15.750 reais de IR, se não incorporar a corretagem ao custo inicial do imóvel; ou 15.000, se tiver incorporado. Pode não parecer muito, mas já ajuda a pagar a transportadora na mudança.

8. Se você vendeu o imóvel, desconte o valor de corretagem: se você é o vendedor do imóvel, e ficou combinado que você arcaria com o custo de corretagem, desconte esse valor do preço de venda. Isso reduzirá o lucro da transação e o IR pago. Por exemplo, se você comprou o bem por 100.000 reais, vendeu por 200.000 reais e pagou 5.000 reais ao corretor, informe um lucro de 95.000 reais, e não de 100.000 reais. Os 15% de IR pagos cairão para 14.250 reais, em vez de 15.000 reais. Novamente, parece pouco, mas já paga a mudança.

9. Aplique o fator de redução: até dezembro de 1995, a Receita corrigia, de tempos em tempos, o valor de aquisição dos imóveis declarados pelo contribuinte. Isso ajudava a abater a base de cálculo. Mas, desde 1996, nenhuma correção é feita, porque a economia foi desindexada para combater a inflação.Para não prejudicar os contribuintes, a receita criou um fator de redução que considera o tempo decorrido entre a compra e a venda do bem. Esse fator gera um desconto sobre o lucro da transação e, em decorrência, sobre a base de recolhimento do IR. A fórmula é conhecida por contadores e especialistas em planejamento tributário. É necessário consultá-los. Mas, antes de dispensar a dica por preguiça, creia: para imóveis comprados há muito tempo, é possível obter bons descontos no IR com o fator de redução.

10. Se você tem imóveis alugados: consulte seu contador ou seu consultor tributário e veja se não está na hora de abrir uma administradora imobiliária para gerir sua carteira. Neste ponto, é preciso fazer algumas simulações, mas há situações em que é aconselhável transferir a carteira para uma pessoa jurídica, em vez de sofrer toda a tributação de IR como pessoa física. De uma forma genérica, alguém com uma renda de aluguéis superior a 5.000 reais já pode pensar com seriedade nessa opção. Mas há várias ponderações a serem feitas, já que a abertura de uma empresa é trabalhosa, requer dispêndios de impostos, e pode não ser rentável se a pessoa não explorar comercialmente os imóveis. De qualquer modo, em alguns casos, ela é proveitosa.

Exemplo: uma simulação de Shingaki mostra que, se uma pessoa física tiver uma receita mensal de aluguéis de 20.000 reais, irá pagar 59.400 reais por ano de IR (pela tabela antiga). Se abrir uma administradora imobiliária, ele terá de pagar Imposto de Renda sobre Pessoa Jurídica (IRPJ), Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), e PIS/COFINS. Mas, para a mesma receita de 20.000 reais por mês, todos esses desembolsos somarão, no final do ano, 27.200 reais – um desembolso 54% menor. "Os benefícios para aluguéis requerem mais cálculos. Não é tão simples dizer que, a partir de um valor, é melhor recolher IR como pessoa jurídica", diz.

É compreensível que haja tantos mecanismos de incentivo à comercialização de imóveis. Considerado um setor de grande impacto social, seja pelos empregos que gera, seja pela melhoria da qualidade de vida que a aquisição de uma casa traz à família, o mercado imobiliário oferece oportunidades de realizar bons negócios sem sofrer tanto com o Leão. Mas, novamente, vale o lembrete de Shingaki: quanto antes planejar a transação imobiliária, mais vantajosa ela pode ser.

Fonte: Portal Exame

=

Marketing & Empreendedores 2011

07/04/2011 às 12:22 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

LJ Contabilidade & Assessoria
A/C Diretoria/Marketing
– — 07/04/2011 09:06:22

Prezados Senhores:

A Revista Top of Business solicita confirmação imediata da LJ Contabilidade & Assessoria para receber o Troféu Marketing & Empreendedores 2011 no próximo dia 15 de Julho, às 21h00min horas em cerimônia social, no Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej. Estarão presentes autoridades brasileiras, personalidades e celebridades, na ocasião estará sendo entregue o Troféu Marketing & Empreendedores 2011, além de veículos de comunicação que estarão dando cobertura à grande noite, a Revista Top of Business estará publicando matéria sobre a impresa LJ Contabilidade & Assessoria na Revista Top Of Business em sua edição especial Troféu Marketing & Empreendedores 2011.

Esta é uma homenagem da Revista Top Of Business às empresas brasileiras que contribuem para o desenvolvimento do país. Este reconhecimento, merecido e até esperado pelas empresas e profissionais, deve-se à constante luta para permanecer no mercado tão competitivo, seja no segmento comercial, industrial, de prestação de serviços, profissionais liberais, inclusive, jornalístico.
Atenta ao que ocorre no mundo business, a Diretoria da Revista Top of Business seleciona os homenageados seguindo os seguintes critérios: participação em feiras nacionais e internacionais, congressos, desenvolvimento de produtos inovadores, tradição no mercado, prêmios recebidos, responsabilidade social e certificados de qualidades adquiridos no decorrer de sua existência.

Entre em contato para obter a revista on-line.

Data: 15 de Julho de 2011 – sexta-feira
Horário: 21h00min horas
Local: Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej – Alameda Santos, 1437 – Jardins / São Paulo-SP
Traje: Social

.

Lembramos que a data limite para a confirmação será até o dia 20 de abril com Sr. Lucas Eugenio pelo fone 51 3028 2067 – 30135286 – 30246151 –78132163 Nextel 104593* 3 ou pelo e-mail: eventos3@marketingempreendedores.com – lucas.primax@gmail.com

Desde já, contamos com a sua presença. Acesse nosso site e saiba mais:

http://www.marketingempreendedores.com

http://www.topofbusiness.com

Lucas Eugenio
Fone: 55 51 3028 2067 – 55 51 7813 2163
Email: eventos3@marketingempreendedores.com
Nextel: ID 104593*3
Skype: lucas.eugnio.silva.da.silvs

Primax Eventos International

LEI Nº 126, DE 14 DE OUTUBRO DE 1993.

06/04/2011 às 22:21 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

NF-e – Proibição da NF modelo 1/1-A – AJUSTE SINIEF nº 4

05/04/2011 às 18:12 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para quem está obrigado a emitir a NF-e, é proibido emitir a NF modelo 1/1-A

AJUSTE SINIEF 4, DE 1º DE ABRIL DE 2011

Altera o Ajuste SINIEF 07/05, que instituia Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica.O Conselho Nacional de Política Fazendária – CONFAZ – e o Secretário da Receita Federal do Brasil, na 141ª reunião ordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária, realizada no Rio de Janeiro, RJ, no dia 1º de abril de 2011, tendo em vista o disposto no art. 199 do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966), resolvem celebrar o seguinte AJUSTE

Cláusula primeira O § 3º da cláusula segunda do Ajuste SINIEF 07/05, de 30 de setembro de 2005, passa a vigorar com a seguinte redação:

"§ 3º É vedada a emissão de nota fiscal modelo 1 ou 1-A ou da Nota Fiscal de Produtor, modelo 4, por contribuinte credenciado à emissão de NF-e, exceto quando a legislação estadual assim permitir. " .

Cláusula segunda Este ajuste entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União, produzindo efeitos a partir de1º de maio de 2011.

Presidente do CONFAZ – Nelson Henrique Barbosa Filho p/Guido Mantega; Secretário da Receita Federal do Brasil – GlaucoPeter Alvarez Guimarães p/ Carlos Alberto de Freitas Barreto; Acre -Mâncio Lima Cordeiro, Alagoas – Maurício Acioli Toledo, Amapá -Claúdio Pinho Santana, Amazonas – Thomaz Afonso Queiroz Nogueira p/ Isper Abrahim Lima, Bahia – Carlos Martins Marques deSantana, Ceará – Carlos Mauro Benevides Filho, Distrito Federal -Valdir Moysés Simão, Espírito Santo – Maurício Cézar Duque, Goiás- Simão Cirineu Dias, Maranhão – Cláudio José Trinchão Santos,Mato Grosso – Marcel Souza de Cursi p/ Edmilson José dos Santos,Mato Grosso do Sul – Mário Sérgio Maciel Lorenzetto, Minas Gerais- Leonardo Maurício Colombini Lima, Pará – José Barroso TostesNeto, Paraíba – Rubens Aquino Lins, Paraná – Luiz Carlos Hauly,Pernambuco – Paulo Henrique Saraiva Câmara, Piauí – Antônio Silvano Alencar de Almeida, Rio de Janeiro – Renato Augusto ZagalloVillela dos Santos, Rio Grande do Norte – José Airton da Silva, RioGrande do Sul – Odir Alberto Pinheiro Tonollier, Rondônia – BeneditoAntônio Alves, Roraima – Luiz Renato Maciel de Melo, Santa Catarina – Almir José Gorges p/ Ubiratan Simões Rezende, São Paulo -Andrea Sandro Calabi, Sergipe – J

http://www.spedbrasil.net/forum/topics/nfe-proibicao-da-nf-modelo

O desafio de atender o consumidor da alta renda

05/04/2011 às 17:34 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O desafio de atender o consumidor da alta renda

por Stella Kochen Susskind

Pesquisas internacionais apontam um processo de desaceleração do consumo; um comportamento possivelmente motivado pela crise econômica vivenciada em maior escala pelos Estados Unidos e Europa. Especialistas europeus afirmam que um dos efeitos colaterais da crise diz respeito ao comportamento do consumidor, que passa a ter maior interesse por produtos menos perecíveis; com um ciclo de vida maior. De acordo com reportagem publicada pelo The New York Times, os consumidores norte-americanos estão mantendo os carros por 63,9 meses – 4,5 meses a mais do que há um ano – e estão trocando o celular, em média, a cada 18 meses.

Há uma reavaliação da real necessidade de ter constantemente “coisas novas”; surge uma mudança de valores. No Brasil – sobretudo em São Paulo – temos um cenário bem diverso e assistimos à potencialização do consumo, em especial na alta renda.

A cidade de São Paulo será, em 2025, a sexta mais rica do mundo, atrás de Tóquio, Nova York, Los Angeles, Londres e Chicago, à frente de Paris. Hoje, ocupando a 10º posição nesse ranking, a cidade se consolidou como a mais promissora da América Latina quando o assunto é consumo de luxo.

Exigente e ávida por produtos e serviços exclusivos, a classe A paulistana se seduz com marcas internacionais que são sinônimo de luxo, glamour e status. Uma pesquisa que está sendo concluída pela Shopper Experience mostra que o paulistano com alto poder aquisitivo concorda em pagar mais por produtos com o binômio qualidade-grife. Detectamos, também, que a alta renda aspira uma relação mais estreita com as marcas; espera ser constantemente surpreendida com ações de relacionamento. Ou seja, valoriza mais uma relação estreita que o marketing tradicional. Em linhas gerais, a principal queixa se refere ao atendimento ao cliente.

Nesse Dia Mundial do Consumidor – instituído em 15 de março de 1962 pelo então presidente John F. Kennedy –, creio que seja pertinente refletir sobre o atendimento ao cliente prestado no Brasil. Muito tem se falado sobre a ascensão das classes C, D e E ao consumo e sobre as demandas causadas por essa inclusão. Os PROCONs de todo o país estão lotados com reclamações que poderiam ser evitadas com informação e respeito. Em contrapartida, pouco se sabe sobre as reclamações da alta renda. Embora não costume se dirigir aos órgãos de Defesa do Consumidor, o cliente da classe A se queixa do atendimento; da falta de conhecimento sobre as reais demandas.

Gestores que atuam no mercado de luxo no Brasil investem no que classificam como “ações para encantar o cliente”, quando deveriam investir em “ações para conhecer melhor o cliente”. Por uma série de características socioculturais, a alta renda demanda ações multiface de relacionamento – em contraposição a ações de marketing. Entre as informações básicas, que devem permear o atendimento a esse cliente, destaco que lazer e trabalho caminham juntos no cotidiano da classe A; o luxo tem uma conotação ligada ao lifestyle das marcas, não ao custo.

Exclusividade continua atraindo o público classe A; uma exclusividade ligada à maneira de ser atendido, de ser mimado. É nessa seara que entra a necessidade de investir na capacitação da equipe de vendas; investimento que transforme o vendedor/balconista em um consultor de consumo.

Diante do desafio de atender às expectativas da alta renda, os gestores das marcas não podem perder de vista que a humanização do atendimento é determinante para todos os consumidores. Com a experiência que conquistei ao longo de 20 anos de pesquisa com a metodologia “cliente secreto”, sinto-me à vontade para afirmar categoricamente que o melhor caminho para “encantar consumidores” passa pelo respeito ao ser humano de todas as classes sociais – condição que antecede o fato de sermos consumidores. Vale lembrar que todos nós valorizamos um atendimento transparente e ético.

Palestra: Apuração de fraudes contábeis e tributárias

05/04/2011 às 17:04 | Publicado em Cursos, Palestras | Deixe um comentário

Palestra: Apuração de fraudes contábeis e tributárias

Detecção e apuração de fraudes fiscais e mitigação de riscos: elisão e evasão fiscal; lucro real X lucro presumido; movimentação financeira X renda declarada; paraísos fiscais; estratégias tributárias na combinação de negócios; dedutibilidade do ágio na incorporação reversa; laranjas; rodízio de empresas; fraudes em licitações; fraudes orçamentárias.

José Carlos Oliveira de Carvalho

Consultor, perito, autor de livros nas áreas de Orçamento, Auditoria e Fraudes e Professor da FGV, IBMEC, PUC. Já trabalhou como Auditor-Geral do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e como Auditor-fiscal.

DLC12 apoia Rosane para Presidente Internacional

05/04/2011 às 11:49 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

DLC12 apoia Rosane para Presidente Internacional

Mais informações e fotos sobre a Moção e a Convenção: clzedopedal

Foto: CLEO Eder Lima, PID CaL Rosane Vailatti, CL Hamilton Siqueira e PDG CL Josué Abreu

O distrito DLC12 realizou, com sucesso, nos dias 1, 2 e 3 de abril, na cidade de Ipatinga, MG, sua7a. convenção. A Convenção da Liderança.

A PID, Rosane Jahnke Vailatti deu um brilho especial ao evento atuando como Oradora Oficial.

Seguindo o que já vem acontecendo em praticamente quase todos os Distritos do Brasil e da América Latina, o Distrito colocou a seguinte “Moção de Apoio” à candidatura de Rosane (que teve até faixas de apoio de clube do maior Distrito Lions do Brasil) a 2ª. Vice-Presidente do Lions Clube Internacional. A moção foi votada, e aclamada por unanimidade, ficando todos os convencionais de pé, aplaudindo a indicação.

Emocionada pela receptividade e pelo carinho recebido na cidade mineira, a PID emocionada relatou como foi o início da sua cruzada: “Na 6ª Jornada dos Presidentes dos Conselhos de Governadores do Brasil em Porto Alegre, no último dia 12 de março, os Presidentes de Conselho presentes do DMLA, DMLB, DMLD, para surpresa minha, lançaram nossa pré-candidatura a 2ª Vice-Presidente Internacional, que foi aprovada por unanimidade.

Após aquele memorável dia, fico, a cada momento, extremamente lisonjeada com tanta mostra de carinho e apoio. Minha caminhada apenas é possível porque vocês caminham comigo me mostrando a senda certa. Temos um grande desafio pela frente. O de continuar a criar um mundo mais justo e mais humano e nós somos este grande diferencial. Em todo o mundo, pessoas de todas as raças e credos esperam nossos gestos de solidariedade e não vamos parar. Melvin Jones nos deixou um legado de SERVIR. E é este legado que nos ensina que estamos no caminho certo. Com convicção quero dizer a minha familia leonística e leoística que estou no LIONS para servir,minha vida é dedicada ao serviço voluntário: na Rede Feminina de Combate ao Câncer, na luta pelos direitos das pessoas com deficiência na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, na luta pelo escotismo… Este trabalho não é de hoje, não é por acaso, representam muitos e muitos anos.
Porém, desafios fazem parte de nossa vida, e considero este desafio que neste momento se apresenta como mais uma grande Missão, que estou assumindo agora, com o leonismo do Brasil, com o leonismo da Área 3, com o leonismo do mundo, da Associação Internacional de Lions Clubes, com o SERVIR. O resultado desta nova missão não é nosso, é da família leonística e leoística. Queremos ser o instrumento de união, de motivação, de inovação, de servir, através do nosso trabalho, esforço, dedicação e amor a causa. Unidos venceremos os desafios!”.

Garra, trabalho, ousadia e carisma são marcas registradas daquela que pode se tornar a PRIMEIRA MULHER PRESIDENTE NA HISTORIA DO LIONS INTERNACIONAL.

Convide seu Clube e seu Distrito para também serem parte desta História.

Conheça mais sobre a PID ROsane Jahnke Vailatti
www.rosanelions.com.br
www.twitter.com/rosanevailatti
www.facebook.com/rosanevailatti
www.rosaneamigosparasempre.blogspot.com

MOÇÃO CD 001/2010-2011

EMENTA – Propõe apoio formal à Pré-Candidatura da PID Rosane Teresinha Jahnke Vailatti à 2ª Vice-Presidência de Lions Clubes Internacional e dá outras providências.

O Governador do Distrito LC12, CL Fernando Barcelos Silva, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais,

considerando o pré-lançamento da candidatura da PID Rosane Teresinha Jahnke Vailatti ao cargo de 2ª Vice-Presidente de Lions Clubes Internacional pelos Presidentes dos Distritos Múltiplos LA, LB e LD, cuja notícia ecoou de bom grado e com grande entusiasmo na comunidade leonística brasileira e, sem dúvida, na 3ª Área Constitucional;

considerando a relevância de sua prestação de serviço humanitário já devidamente comprovada pelo leonismo internacional e, de modo especial, pelo brasileiro, partindo-se de sua comunidade local, Santa Catarina, como exemplo de humildade e dedicação extremosa à causa daqueles que necessitam de educação especial, dentre outros serviços;

considerando sua projeção na Diretoria Internacional com incontáveis manifestações de apoio e aplausos por suas interferências marcantes junto a seus pares, elevando, sobremaneira, o conceito positivo do leonismo brasileiro e da III Área Constitucional que representou;

considerando que o Brasil, por sua força leonística, já está a merecer a terceira presidência internacional de Lions Clubes, com o mesmo brilhantismo e tenacidade dos dois outros incontestes líderes brasileiros de reconhecimento internacional;

considerando que a PID Rosane Teresinha Jahnke Vailatti tem demonstrado em toda sua vida leonística amor, garra e desprendimento ao movimento cuja missão é servir e tem dado demonstração inequívoca de boa administradora na vida privada e na pública como Secretária de Estado;

CONSIDERANDO, finalmente, o crescimento da mulher no leonismo, bem como nos demais segmentos sociais e comunitários, de incensurável desempenho,

PROPÕE

a presente MOÇÃO DE APOIO à pré-candidatura da PID Rosane Teresinha Jahnke Vailatti como 2ª Vice-Presidente da Associação Internacional de Lions Clubes, tão logo lhe seja possível pelo Estatuto e Regulamentos de Lions Clube Internacional.

Propõe, também, que esta Moção seja levada ao IV Conselho Distrital a ser realizado no dia 1º de abril, na cidade de Ipatinga – MG, para sua apreciação, votação e encaminhamento à VII Convenção Distrital, Convenção da Liderança, a ser realizada na mesma cidade nos dias 1º, 2 e 3 de abril próximo vindouro, para manifestações de seus convencionais e aprovação por seus delegados.

Ainda, aprovada a presente Moção, dê-se ciência à agraciada, PID Rosane Teresinha Jahnke Vailatti, com cópia do inteiro teor deste documento.

Registre-se e publique-se.

João Monlevade, 22 de março de 2011.

GD Fernando Barcelos Silva – Governador

PDG Josué Silva Abreu – Secretário

CaL Lêda da Conceição Teixeira – Tesoureira

Mentira x IR: informações inconsistentes podem custar caro ao contribuinte

04/04/2011 às 13:43 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

SÃO PAULO – Pode até ser brincadeira de criança, mas, aproveitando a tradição de que o dia 1º de abril é popularmente chamado de "Dia da Mentira", fica a dica: o Fisco não cai mais nas peças pregadas por alguns contribuintes, na tentativa de diminuir o imposto devido ou de aumentar o valor a restituir.

Com diversas tipos de cruzamento de informações, por conta das demais declarações entregues pelos contribuintes, fica fácil reconhecer inconsistências e ir em busca da verdade.

Segundo especialistas, o trabalhador considera que o imposto descontado automaticamente em seu holerite lhe credencia a ter uma restituição ao final do imposto, afinal, muito imposto foi pago. Quando a restituição é menor do que a esperada ou quando, ao invés de restituir, existe a necessidade de pagar mais imposto, alguns praticam delitos no preenchimento da declaração, na tentativa de burlar o Fisco.

Principais “erros”

Um dos erros mais comuns é o abatimento indevido de despesas com saúde, que, de acordo com as regras do Imposto de Renda, podem ser integralmente deduzidas, ou seja, todos os gastos com saúde, tanto do contribuinte como de seus dependentes, podem reduzir a base de cálculo do imposto.

Um exemplo é o abatimento indevido de plano de saúde, quando, por exemplo, mesmo sem possuir um plano, o contribuinte utiliza-se de um a fim de obter um abatimento ilegal. O mesmo acontece com recibos frios de médicos, dentistas e outros prestadores neste sentido.

Para coibir essa prática, a partir deste ano, a Receita Federal instituiu a Dmed (Declaração de Serviços Médicos e de Saúde), cujo prazo para declarar terminou na última quinta-feira (31).

A Dmed é um documento obrigatório para todas as pessoas jurídicas e equiparadas, prestadoras de serviços de saúde e operadoras de planos de assistência à saúde.

Seu objetivo é identificar as deduções indevidas de despesas médicas feitas pelo contribuinte, a partir do cruzamento dos dados da declaração de ajuste anual da pessoa física com o da pessoa jurídica.

“Essa declaração é uma ferramenta que ajudará a reduzir a sonegação fiscal oriunda de gastos médicos suspeitos, já que a Receita cruzará os dados fornecidos pelas empresas do segmento de saúde com as informações contidas no Imposto de Renda Pessoa Física”, disse o conselheiro do CRC-SP, Júlio Linuesa Perez.

Fiscalização

A Receita começou, em março, um conjunto de ações de fiscalização, para investigar os contribuintes que aparentemente tenham sonegado o imposto.

O fisco cruzou informações de várias fontes e identificou sinais de omissão de rendimento e de redução indevida da base de cálculo do Imposto de Renda em um grande número de contribuintes.

Alguns deles deixaram de incluir grande parte dos rendimentos nas declarações. Outros incluíram deduções irreais, valores de dependentes ou despesas médicas que não existem.

Fonte: InfoMoney – 01/04/2011

Como levar sua empresa para o mundo móbile

04/04/2011 às 12:33 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

por Esther Hinrichsen

Cada vez mais as pessoas estão utilizando os smartphones para acessar a internet. Vários estudos apontam que daqui a três anos o acesso à rede por aparelhos celulares irá superar o do computador. Com isso, as empresas passam a ter necessidades de adaptarem seus sites, fazendo com que a navegação seja mais cômoda para esses usuários.

Algumas grandes empresas, como o portal Terra e UOL, já fizeram isso. No Terra, por exemplo, o endereço de acesso é o mesmo tanto para celular quanto para computador. É o próprio site que identifica se o usuário está utilizando um ou o outro e faz a adequação de layout automaticamente.

O acesso à internet por smartphones são, na maior parte das vezes, mais lentos do que no computador. Além disso, a visualização é bem menor e a digitação mais complicada. Por isso, é necessário fazer certas adaptações que auxiliem os usuários a terem uma maior facilidade.

Para resolvermos o problema com a velocidade e a visualização, o mais recomendado é criar um layout diferenciado para os smartphones, utilizando menos imagens e textos e deixando os botões de acesso maiores.

Para facilitar a vida do usuário quanto à digitação, existem algumas alternativas no mercado como QR Code, onde se cria uma imagem que ao ser lida pelo smartphone, redireciona automaticamente para o link do seu site. Muitas empresas de vendas online têm utilizado esse recurso para facilitar o acesso do usuário a seus produtos e catálogos.

As empresas que não quiserem utilizar o QR Code podem criar links personalizados de acesso como “m.suaempresa.com.br”, mas lembre-se sempre que o usuário do smartphone não quer digitar muito e endereços eletrônicos compridos podem fazê-lo desistir de acessar seu link.

Muitas empresas utilizam algum tipo de CMS, que é um sistema de gestão de conteúdo de websites e intranets, como Joomla e WordPress. Para ambos existem plugins que adaptam seu site para móbile. Já em outras ferramentas, algumas vezes não é possível, sendo necessário criar um layout exclusivo para o acesso por smartphone.

E se dentro do meu site existir um sistema, tem como adaptá-lo? Depende muito de qual foi a linguagem utilizada para desenvolver esse sistema. No caso dele ter sido desenvolvido em PHP é possível fazer essa adaptação. A única parte que precisará ser alterada é o layout. O resto, como consultas à base de dados, por exemplo, não terá nenhuma modificação.

O mundo está avançando e cada vez mais as pessoas necessitam acessar a internet em qualquer lugar e a qualquer hora. Por isso, investir na adaptação do seu site e/ou sistema web para acesso via smartphones é muito importante. É uma maneira de mostrar a seus clientes que você está pensando na comodidade e na praticidade dele.

Esther Hinrichsen é técnica em informática e desenvolvedora web da dBrain, agência especializada em marketing de canais. www.dbrain.com.br

Programa Contabilidade Empresas & Negócios

02/04/2011 às 15:16 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Programa Contabilidade Empresas & Negócios
Caso não esteja visualizando este e-mail corretamente acesse este link

news_topo_programa_cen.jpg
cen_04.gif
Assista no Canal 6 (Canal 7 na NET)
bullet.jpgO programa deste sábado traz informações sobre pesquisas de Turismo realizadas pelaFecomércio no estado durante o carnaval; matéria sobre a reunião do Conselho de Representantes da Fecomércio, que contou com a presença do Governador do Estado Raimundo Colombo; lançamento da 27ª Contesc e a terceira reportagem da série Estilo e Profissão, que vai falar sobre as especialidades em pós-graduação e a importância do exame de suficiência da classe contábil.
bullet.jpgDICA ITC:Saiba mais sobre Tabela Progressiva Mensal do Imposto sobre a Renda de Pessoas Físicas.
bullet.jpgMOMENTO EMPRESARIAL: A importância do Balanço Social das Empresas.
bullet.jpgENTREVISTA DA SEMANA:O empresário Ricardo Pereira conta sua trajetória empreendedora a frente do Hotel Maria do Mar.
reprise.jpg
barra_separacao.jpg
recordchamada.jpg replay.jpg
twitter.jpg

canais.jpg

lida.php?fk_cliente=83&info=1108&email=adrmattos@brturbo.com.br

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: